Categorias
Arte Crônica Ctrl + C -> Ctrl + V Música Resenha Vídeo

Gostinho de hoje

Anderson Badaró e Junior Abreu são velhos conhecidos. Já até fizeram live juntos no Instagram, veja só. Mas, melhor do que isso, são dois caras que insistem em compor. Cada um separadamente soltou uma música que estava lá engavetada. E elas — coincidentemente — ganharam o mundo com um ar de atualidade que chama a atenção da gente. Parecem ter a ver com a época que estamos vivendo: “Eu direi apenas coisas que você quiser ouvir”, do Verbase, e “Vai passar”, da Ursa Maior. Soam “atuais”, sim, ou “bem contemporâneas” por causa de seus títulos, suas letras, suas densidades…

Mas não são de agora. “Eu direi apenas coisas que você quiser ouvir” é de 2002 e acabou não entrando em nenhum disco. Ganhou vida agora depois que Badaró montou um estúdio e conseguiu trabalhar melhor umas coisas que vinha matutando. A faixa deve entrar num disco que ele espera lançar até o fim do ano. “Vai passar” é um pouco mais nova, tem cinco anos. “Profetizei, sem querer, cara”, brinca Abreu.

Categorias
Arte Crítica Música Resenha

Bem-vindos ao caos (porque há muito amor aqui)

Zé Sem Nome fez um favorzão a todos nós, nestes tempos de pandemia: lançou no sapatinho um segundo álbum. Parece estar — o que é um direito dele — tirando aquela onda de “Ah, tinha material sobrando…” Agoniado, bem-humorado, poesia-tapa-na-cara, porradeiro… Assim é “Falando com as bases”, que vem à luz podendo ser considerado tanto sequência quanto tipo um complemento do anterior — o sensacional “Parece RAP”, de meados do ano passado. “Fala javanês” foi eleita pelo ex-baixista do Zumbi do Mato, o agora Zé Sem Nome, como o primeiro single. Está lá no Spotify, para quem quiser ficar de boca aberta.

Na pasta das “crônicas”, além da primeira música de trabalho, você pode colocar “Rei Momo” e “Protesto R.J.”. Nesta, tem uma frase lá que pra muita gente define como poucas a cidade outrora maravilhosa: “Essa merda é o Rio de Janeiro.” A despeito do exagero, porque é também uma cidade onde surgem artistas inquietos e cheios de verdades pra jogar nas nossas caras, só esta sentença já dá vida à música. Mas o negócio vai muito além. “Rei Momo” é bem-humorada: você pode rir por exemplo quando ele anuncia um solo de guitarra.

Por falar em verdades, ente encarar “Amor perfeito”, uma bela prova da firmeza do discurso do cara. Nesta, o ouvinte tem a chance de imaginar ZSN como um bamba daquele esquema que há algums anos estava tão na moda, o stand-up comedy. Neste segundo disco, é um dos melhores momentos dele como intérprete, com plins e plons que os teóricos aí da vida podem até chamar de referência oitentista.

Falar de amor amor mesmo é coisa que ele faz mais em “Swing loco”, que com um título assim pode de cara ser julgada como uma… sacanagem! É isso sim um mergulho na poesia. Pode rir, pode desconfiar, leitor(a), mas tem isso. Versos como “Sexo sem camisinha / Brincadeira de canibais / Swing loco…” fazem a gente pensar que Zé está in love. Apaixonado pelo caos (?). Talvez. “Swing loco”, “Ilhas” e “Sopa de piranha” são parcerias com Renato Pittas, que já deixara sua assinatura na melhor faixa do lançamento anterior (“Lost”). A capa desta vez traz a marca de Márcio Jr., integrante da banda Mechanics e manda-prender-e-manda-soltar lá em Goiânia.

“O povo tá doente” não faz de ZSN uma Mãe Dinah de última hora. Com sua melodia, ela se separa um pouco das outras. O que também acontece com “Ilhas”, que sugere uma digestão mais fácil. “Ilhas podem ser oásis no meio do deserto disfarçadas de miragem” é um bom refrão. Antigos fãs de Los Hermanos ou até mesmo gente mais cascuda,  como admiradores de Legião Urbana, deviam dar uma chance pro Zé. Não se decepcionariam.

“Rosto de rico”, também sombria, carrega uma roupagem bluesy. Nosso homem-caos-da-vez até brinca com isso, cantando “Segura aí… Virou um blues…” Mas não fique achando que ele explica todas as “piadas”. E tampouco que tudo é gracinha. Se tem uma sensação que fica depois da audição é de que há muita, muita coisa escondida naquela avalanche de palavras. Não basta uma audição. Com sotaque bem carioca, fica ótimo ouvir o cara provocar: “Eu tenho rosto de rico / A sorte que eu tive meu deus fiz miséria / Vamos nós sorrindo, dando beijinho e sem destino.” O amor ressurge aí como assunto e, além disso, parece haver uma ligação com “Sopa de piranha”, que aventureiros irresponsáveis poderão considerar uma provocação às feministas de hoje em dia. O que seria um perigo.