Categorias
Arte Desenho Lowbrow Quadrinhos XXX

@monteiro4852 #32

Barriga cheia? Barriga cheia mesmo? Então, tá certo.

Categorias
Arte Desenho Lowbrow Paulo-Coelhismo Quadrinhos XXX

@monteiro4852 #31

Primeira Pata-Maravilha do ano. Ou Wonder-Duck, if you wish. Ano Novo nessa joça. Esperando pela vacina, pelo Amor, por um novo pastel de siri. Com paciência. Esperando, esperando, esperando.

Categorias
Arte Desenho Lowbrow Quadrinhos XXX

@monteiro4852 #30

Ainda bem que tem gente que desenha. Vem, 2021, vem.

Categorias
Arte Desenho Lowbrow Quadrinhos

@monteiro4852 #29

Quem você ainda vai encontrar, este ano?

Categorias
Arte Desenho Quadrinhos XXX

Auuu!!

Chegou aqui: “O Lobisomem Errante”, do mestre Julio Shimamoto. Edição da MMarte. Vem com uma serigrafia (21x15cm, numerada e assinada Pelo Shima). Sua coleção vai ficar ainda mais linda com isso aqui. Trabalho lindão. Dá uma olhada lá no site deles: www.mmarteproducoes.com.

Categorias
Arte Desenho Lowbrow Quadrinhos

@monteiro4852 #28

“Entre nesta festa pra cantar com todos nós… Ele é… o maior… Viva o Mickey Mouse!”

Categorias
Arte Desenho Lowbrow Quadrinhos

@monteiro4852 #27

Vai treinar, hoje, guerreira?

Categorias
Arte Desenho Lowbrow Música

@monteiro4852 #26

É preciso ter muita paciência, às vezes. Quase sempre.

Categorias
Arte Cinema Comportamento Crônica Ctrl + C -> Ctrl + V Literatice Paulo-Coelhismo Sem categoria Vídeo

Em nome de Lynch e Maradona: amém

Se tem uma grande sacanagem que o PPP fez foi emporcalhar o “conceito” de oração. PPP, você sabe, é o Projeto Pentecostal de Poder. Letras bastante razoáveis, estas, né: não sustentam nenhum palavrão e deixam bem claro o que há por trás (e pela frente, e de ladinho) daquela Igreja. Igreja contra Igreja é uma equação que soa beeem velha. Mas por que falar de oração, então? Por causa do Maradona, que nos deixou. E por conta dos vídeos do David Lynch.

Teve um Argentino, o Emi, que frequenta um bar ali de Laranjeiras, que chorou e tudo. Não foi zoado por nenhum de seus compadres de copo. Todos foram solidários. Ali tinha/era, claro, entre muitas coisas, uma celebração da macheza, defensores do pinto como centro do mundo sendo bróders uns dos outros. A despeito dos vômitos que isso possa ter causado nas feministas da área, foi fofo, foi o reconhecimento, a celebração da “obra” de um cara que fez bonito na sua passagem por aqui. Vacilou, claro. Mas mandou bem e tirou uma onda que muito verde-e-amarelo-aí-do-futebol jamais conseguirá. Maradona tinha tutano. Talvez isso deixe o adeus mais doloroso. O tutano do mundo parece que está mesmo super-acabando.

Oração, segundo o google-cionário é um “ato religioso que visa ativar uma ligação, uma conversa, um pedido, um agradecimento”. A explicação fala também num “ser transcendente e divino”, mas é possível “entender” o bagulho como um todo sem chegar até aí. Gritar “Gol!” é uma oração, num certo sentido, porque é uma celebração extremamente positiva, um momento de superação de todos os perrengues. Ou pelo menos de muitos perrengues.

Há a oração de todo mundo, talvez corriqueira, mas mesmo assim “necessária”. E há a de cada um. Pelo menos, pode haver. Ah, pode. No mesmo boteco que o Emi frequenta, alguém sempre deixa, no balcão, uns brinquedinhos feitos de papel. Aquilo que antigamente chamavam de Origami. Um destes brinquedinhos invariavelmente gera comentários: o Tsuru. Aquele pássaro, tão ligados? Há quem acredite que mil, isso mesmo, fazer mil Tsurus meio que equivale a uma oração.

Outra coisa que parece ser um equivalente do exercício de “ligação” são os vídeos diários do David Lynch. Ele quase que invariavelmente fala sobre o tempo em Los Angeles, emendando isso com um comentário sobre a cultura americana. Tipo uma crônica-oração. Você até pode achar importante saber há quanto tempo  uma pessoa faz orações. Pode surgir a pergunta sobre quantos vídeos Mr. Lynch já fez e se é por isso, por talvez ter passado dos mil, que a brincadeira pode ser considerada uma oração. Não é bem por isso. É por ser uma rotina, diária, que estabelece uma ligação entre ele e seus “seguidores”. Também neste caso, é possível ficar com uma explicação/retórica que não chegue até a discussão do “ser transcendente e divino”.

Estes vídeos são os Tsurus do senhor David Lynch. Hoje, o escriba que vos digita teve a chance de presentear o tiozinho cineasta com o milésito polegar-pra-cima do dia. Se ele orou por isso, conseguiu. Há orações diferentes. Há rezas diferentes. Há até quem fale em “rezo”, em vez de “reza”, o que chega a ser surpreendente nesta época de “feminização forçada” da Língua. Mas isso é outra ladainha. Ninguém (aqui) disse/diz que você deve restringir-se a uma única oração. Lynch, por exemplo, faz também regularmente um (outro modelo de) vídeo, no qual sorteia números. Mas isso aí também é outra ladainha.

Categorias
Arte Desenho Lowbrow Umbigada XXX

@monteiro4852 #24

É preciso ter envolvimento com aquilo que se faz. Outra coisa que precisa ter é saco. Mas aí é com tudo, não apenas com aquilo que se faz.