Categorias
Comer Comportamento Crônica Freudcast Literatice Paulo-Coelhismo Poesia Umbigada

Padaria

Saudade parece que nunca anda sozinha. A falta que a gente sente de escrever ou de desenhar se emenda fácil, fácil, na falta que faz (convi)ver (co’)uma determinada pessoa. Numa época em que rabiscar pensando em alguém tornou-se um exercício muito mais comum e possível do que rabiscar olhando de perto para alguém, é bom achar uma maneira de lidar com elas, as saudades. Sobram os textos, às vezes, e sorte de quem consegue achar que isso é muito/suficiente.

Fica um pouco chato quando, quase clicando no link da sabotagem, o cara se pega fugindo da escrita, guiado por algum circuito da cachola em que aquilo se transformou numa obrigação. Saudade, quando vem, está longe de ser uma obrigação. É isso sim uma orca te perseguindo na praia, você sabendo que não está suficientemente perto da areia para conseguir fugir. É bom respeitar/aceitar o texto, quando ele surge, porque se aquilo escapa você provavelmente nunca mais conseguirá rever/repensar naqueles mesmos “moldes”. Textos mais do que nunca moldam saudades.

Com a poesia é a mesma coisa. Ou pior. Porque com os versos a gente pode ficar mais escabreado, juntando à possibilidade de registro o medo do ridículo. Se para provocar a gente diz que “fazer poesia é fácil, difícil é confessar que fez…”, imagina pensar poesia, e não escrever nada… No mundo ideal, seria ainda mais “confortável”. Mas o desespero de perder um versinho, um versinho que seja, pode ser também uma semente de ferida com a qual ninguém aí está preparado para lidar. Se disser que está, pode ser uma declaração que não passa de cagaço. Trocando em miúdos, é isso: cagaço.

Teve esta semana a história de um cara que, para lidar com a falta de tempo e a saudade, ocupava ainda mais as brechas que se lhe apresentavam. Isso. Não tinha tempo e tratava de ter ainda menos. Desandou a fazer pães. Cismou com isso e dizia aos manos que aquela “brincadeira” era uma espécie de meditação. Mais um louco-de-pandemia. Quando comia o resultado do trampo, da queima de um tempo que nem existia direito, ou quando distribuía aquilo entre amigues, relaxava. E percebia um alívio. Mas durava só um piscar de olhos, porque a onda era preencher todas, todas as brechas. Pra muita gente, não tem dado tempo de sentir nada.

Lidar com o tempo nunca foi fácil. Com a saudade, menos ainda. Nestes dias, a tarefa parece ter assumido ares ainda mais impossibilitadores. Porque a gente pode se pegar sem conseguir decidir se ele, o tempo, está passando rápido demais ou demasiado lento. No mesmo dia, você pode ouvir alguém dizendo que “já é Agosto” e uma esquina depois que “nem parece que já se passaram quatro meses de trancamento em casa”. O mundo precisa se decidir.

Categorias
Parece Poesia Poesia Tipo Poesia

Ipanema, antes das sete / Ela correndo / A praia merece / O mundo brilha / Tudo em volta floresce

Categorias
Literatice Parece Poesia Poesia Sem categoria Tipo Poesia

Chegou pro espelho e disse: / Oi, vim aqui para refletir / A resposta foi uma escovada: / OK, mas arrumar o cabelo não custa nada

Categorias
Parece Poesia Poesia Tipo Poesia XXX

A noite

Categorias
Parece Poesia Poesia Tipo Poesia Umbigada

Lua a(i)nda minguante

Categorias
Literatice Parece Poesia Poesia Tipo Poesia Umbigada XXX

Floral

Não anotou, deu mole, perdeu o verso

Num espere que volte, que meia hora já é muito

Perdeu, perdeu, playboy,

Fosse mais esperto

.

Coração que é bom, é coração bom

Coração bom, é coração batendo

Mas é tanto tum, no coração

Que quase não entendo

.

Conflito, é a última coisa que vai ter

Competição, angústia…

Outra aposta, podia não custar nada

Mas custa

Categorias
Parece Poesia Poesia Tipo Poesia Umbigada XXX

Leminskiando

Tenho uma coisa com sonho

Eu sonho

E tenho uma coisa contigo

Eu contigo

Categorias
Parece Poesia Poesia Sem categoria Tipo Poesia Umbigada XXX

Terça? Que nada!

Ela se ajeita como qualquer outra

Ou uma outra qualquer

Nova ferida aberta

Tem ferida, sobrando, pra quem quiser

Tanto faz, se for mais uma porta fechada

Quem não anda descalço não descobre o alívio de um calo

Seu Olímpio, tudo bem com o senhor?

Tudo bem, meu filho.

Tudo bem, minha filha.

Barbeiro assusta a gente quando demonstra muito carinho com a navalha

Que vacilão, você, hein, querendo colocar tudo embaixo da coberta

Encara de frente, na reta

Encara a treta, teu meleca

Como tem gente dedicada, eficiente, rápida

Gente boa de ser chata

Batendo na concorrência, devagar, repetidamente, sempre ensopada de marra

Como tem tralha que você não larga, acha que cataloga, finge que guarda

E no fim das contas tropeça nelas pra xingar e no flow querer dar bicada

Como tem saudade que não passa, sempre ela, até que passa e…

Caralha!

A vida segue assim como que refrescante reaberta refrigerada

Tudo mais fácil sim agora mas sai pra lá co’esse papo de que foi de mão beijada