Categorias
Comportamento Crônica Literatice Música Paulo-Coelhismo

Haja punk rock

“Aperta aqui. Depois, a gente passa um álcool na mão e tá tudo certo.” Foi assim a tentativa de encerrar uma discussão que começou com futebol e, por causa da cerveja, não terminava. O álcool por dentro talvez tenha estimulado o mais calmo dos dois a sugerir o álcool por fora, isto é, nas mãos, para encerrar e pendenga de maneira que, digamos, nenhum dos dois lados levasse prejuízo para casa. Como os mais civilizados faziam, antigamente. Neste caso, o prejuízo seria o Covid. Mas logo depois de pronunciada a frase… Bom, a coisa acabou, ali, acabou mesmo. Mas com os dois fazendo papel de cara-de-bunda, sem o aperto de mãos. Mesmo quase bêbados, entenderam que o álcool-70% tiraria mais do que os “germes”, como diz a Lucy do desenho dos Peanuts. A moral da história é: álcool por dentro pode estragar tudo; por fora, já não garante muita coisa, para infelicidade dos mais civilizados.

Um troço que não acaba é discussão sobre futebol e política. Outro dia, um cara, bem intencionado, até, pelo que se sabe, do tipo que nas últimas eleições não fez o papel de classe-mediano-escroto, esse cara falava de “cidadãos de bem”. Pra você ver, hein, como se trata de uma expressão emporcalhada pelo ódio mas que pode aparecer em qualquer dos 300 lados. Aconteceu num grupo de WApp. E foi só aquele social-democrata falar em “cidadão de bem” para uma integrante da turma apontar que aquele era o nome de um jornal da Ku Klux Klan. Acabou como no episódio anterior. As expressões de constrangimento, desta vez, não apareceram. Porque se tem uma coisa boa nos grupos de WApp é a garantia de certa “proteção” aos usuários: o cara-de-bunda do iPhone interage com o cara-de-bunda do Samsung sem precisar do álcool por fora.

Estes dois primeiros parágrafos resumem tão bem o “quadro” dos últimos dias que seria razoável encerrar por aqui mesmo a crônica. A vida em dois parágrafos. Histórias curtíssimas. Já é quase Natal. Esperanças limitadíssimas, mas, com um liquidozinho higienizador, tudo pode se resolver e manter a esperança de pé. Rá! Mas o tempero extra do universo — pitadas de passado quase esquecido e de futuro bastante incerto — andam aparecendo de uma forma assim tão 70%, como que prometendo desdobramentos improváveis, que há algum combustível para seguir em frente. Ah, e teve o aniversário de lançamento do “Fresh fruit for rotting vegetables”, dos Dead Kennedys, esta semana. O álbum fez 40 anos. Não dá para terminar uma prosa sem registrar isso.

Estamos falando de um álbum que não era exatamente uma pregação em favor da revolução. Mas uma zoação que beliscava os mais sensíveis num modo non-stop. E tudo com uma velocidade, um vigor, umas letras e um deboche provocador que até então a gente não estava acostumado a ver. Não foi à toa que um monte de cinquentões postou estes dias que aquele foi um disco que mudou suas vidas. Será que estes sujeitos percebem que mesmo sem o medo da terceira grande guerra podemos eleger aquela pérola punk como uma trilha bastante adequada para os tempos atuais? O legado dos Kennedys não vai morrer nunca.

Quer coisa mais Dead Kennedys do que sair para ir à feira, num sábado, e, por se tratar de um percurso feito na Zona Sul do Rio, ver uns bons 30 policiais, pelas esquinas, espalhados em duplas ou trios, cuidando (até as 20h, pelo menos) da segurança da tradicional família carioca? E em pelo menos quatro destes pontos, o que eles estavam fazendo? Mexendo em seus celulares! O que será que estavam lendo/digitando?  De que grupos de WApp será que fazem parte? Não há mesmo álcool 70% que dê jeito. Haja punk rock.

Categorias
Conto Literatice XXX

Chocolate

Ela chegou, sorrindo, e depois de tirar o tênis, a máscara, passar álcool pelos braços, pelas orelhas, pelo cangote e de tirar também a camiseta e o short, disse: “Trouxe uma coisa pra você.” Seguiu removendo as peças mais íntimas, aí dispensando o líquido higienizante, porque aquilo tudo estava coberto por tecidos que devem proteger de alguma maneira. “Ar fresco”, completou, uns bons minutos depois de ter começado a falar. Estava se dirigindo à plantinha, que ficava no início do corredor que não era bem um corredor mas que levava à cozinha. Tinha voltado da primeira caminhada desde o início da pandemia. E arriscou fazer aquilo, mesmo com uma dorzinha no joelho, porque precisava trazer ar fresco para dentro de casa.

As janelas andavam ficando mais fechadas do que abertas. Quando percebia isso, lembrava de uma decisão tomada logo depois que o vírus tomou conta do noticiário. Não conseguiria escrever num papel que decisão tinha sido aquela. E pensava nisso, na impossibilidade de transcrever a coisa, porque tinha tido essa vontade. Não se assustou com sua incapacidade. Mas ficou pensativa. Achava que tinha percebido a primeira pontada no joelho direito bem neste instante, o instante em que não conseguiu escrever o que tinha decidido. Naquele dia, fez um desenho que decidiu prender com fita crepe na parede do corredor que não era corredor, perto da planta a quem dava ar fresco depois de voltar daquela esplêndida primeira caminhada.

Pesquisou “joelho”. Pesquisou “dor”. Pesquisou “caminhar”. Pesquisou “pandemia”. Pesquisou “vítimas”. Pesquisou “prefeito”, mas desistiu desta e antes que o resultado aparecesse pesquisou “bdsm”. Pesquisou “mulheres dominadoras”. Pesquisou “sagitarianos”. Pesquisou “compatibilidade entre os signos”. Pesquisou “tarot” e “tarô”. Pesquisou “trabalho voluntário”. Pesquisou “mudança de carreira”. Pesquisou “solitude”. Pesquisou “Cem anos de solidão”. Pesquisou “delivery japonês botafogo”. Pesquisou “saquê”. Seguiu pesquisando, até que o interfone tocou e percebendo que já era noite colocou máscara, armou-se com o borrifador de álcool 70 e foi até a porta receber a comida e o saquê. Tinha sido dia de ar fresco. Achava que podia ser uma noite de peixe fresco.

Começou uma série. Estava disposta a maratonar. Não maratonava havia já algum tempo. Maratonar tinha perdido a graça, se é que algum dia teve graça. Sorriu satisfeita, olhando pros sashimis. E a satisfação escorria do sorriso porque o saquê era uma bebida danada de boa para contribuir com isso, com sorrisos de satisfação. Sentiu saudades de caipisaquês de lichia. Pensou nas estações do ano, achou que lembrava de ter visto lichia nas feiras em dezembro, época de natal. Mas não quis pesquisar aquilo. Enquanto colhia ar fresco, mais cedo, havia decidido só pesquisar uma vez por dia. Ficou pensando que talvez pudesse complementar aquela decisão, acrescentando um limite de horas ou assuntos para mergulhos no computador.

Foi como um insight: “Essa dor no joelho pode ser de ficar demais no computador, com a perna cruzada… Não é bom pra circulação, isso…” Sentiu-se aliviada e sorriu o melhor sorriso do dia, melhor do que quando disse à planta que lhe tinha trazido de presente ar fresco. Derramou o restinho de saquê num copo quadrado, com bordinha larga para quem quisesse colocar sal, ali, na beiradinha. Gostava de saquê com pitadinhas de sal, e se sentia uma personagem de série enquanto fazia isso. Estava de novo sem roupa e pensou em quanta gente gostaria de vê-la daquele jeito.

Lembrou dos chocolates que namorava de vez em quando e que mantinha guardados no armário da cozinha, quase escondidos. Do lado de fora, deixava as barrinhas de cereais. Pensou em pesquisar sobre calorias, fazendo rapidamente um cálculo importante, pro qual o resultado era que gastaria menos tempo ligando o computador do que tentando ler o que estava escrito no rótulo de cada embalagem. Lembrou-se da decisão tomada naquele dia. Nada de pesquisas. Não havia decidido nada ainda sobre o consumo de chocolates. E mesmo sem digitar ou ler nada achou que comer um docinho ajudaria a curar o joelho. Desejou ter mais saquê.

Categorias
Comportamento Crônica Ctrl + C -> Ctrl + V Freudcast Literatice Paulo-Coelhismo Sem categoria Umbigada

Três lados

Está rolando, desde o último fim de semana: uma espécie de trégua. Gente de todos os tipos, digo, de quase todos os tipos fazendo a mesma pergunta. Todo mundo, ou quase todo mundo, querendo saber do presidente que história é essa de a patroa ter recebido todo aquele cascalho do Queiroz. Alguém lembra de um episódio recente em que tenha havido uma “união” assim tão grande, ainda mais nos terrenos internéticos? Bem que algum estrategista podia aproveitar isso para começar um trabalho de pacificação/reunião que tire da prefeitura do Rio aquele cara que está lá. Mas aí talvez já fosse pedir demais. Vamos nos concentrar no momento, nos contentar com a sensação de paz, boa vontade e colaboração que anda rolando. Como se o novo normal pudesse ser assim. Pelo menos aqui nesta bolha.

Ah, é, tem a questão da bolha e esta “trégua” pode ajudar a gente a entender melhor as bolhas. Ou as moedas. Quer dizer, pode ser um passo definitivo na direção da aceitação dos três (e não dois) lados da moeda. As bolhas não são apenas a reunião de um grupo de pensadores/agentes pautados por uma única verdade. Em cada bolha, há na realidade gente de diferentes tipos enxergando a “verdade” de acordo com o que é conveniente para o próprio umbigo num determinado instante. A história dos 89 mil tostões faz a gente pensar que, neste xadrez, mais do que uma bolha contra a outra, há em cada grupo discordâncias cada vez mais ferozes que andam dificultando a manutenção das bolhas em si.

Quem aí com algum tutano não conhece uma alma que considera menos privilegiada na capacidade de elaboração e entendimento do mundo mas com quem, por uma série de motivos, por “afeto”, vá lá, é capaz de (ou ao menos tenta) manter algum diálogo? Isso não significa render-se ao caô de que não há Direita nem tampouco Esquerda. Não é isso. E “afeto” não é sinônimo de perdão incondicional. Mas isso é fugir pelo menos um pouco do maniqueísmo futebolístico.

Talvez a gente pudesse seguir o exemplo daquela rapaziada californiana descolada, que, meses atrás, combinou de levar seus cachorros para passear justamente no trajeto programado para horas depois ser preenchido por uma manifestação de extremistas de Direita. A ideia não era brigar, mas sim deixar que os cachorros fizessem número dois pelo caminho para que os reaças, pelo menos alguns deles, cagassem seus pés durante a caminhada.

Imagina se essa “moda” pega, por aqui. Vislumbre um novo momento de união nas bolhas. De um lado, pessoas que se preocupam com os direitos de cães e gatos mas resistem/meditam pra não jogar seus Jeeps em cima dos humanos que estão em situação de rua… Do outro, o grupo social-democrata, que defende ações do Estado para garantir o bem-estar da maioria e que por isso são tidos como radicais de esquerda, áses da arrogância nas discussões com referências acadêmicas… Todos unidos contra aquele vizinho mané que nem enche o saco de ninguém, mas… mas há alguma coisa de “estranha” no comportamento dele, né!?

Categorias
Beber Comportamento Crônica Freudcast Literatice XXX

Promoção

Desde que viu um anúncio de “orgânico torrado e moído especialmente para cariocas”, ficou com aquilo na cabeça. Talvez porque tivesse coincidentemente comentado com um camarada, dias antes, que estava incomodado com essa história de viver uma época em que andava bebendo mais café do que cerveja. Se pá, porque a “anunciante” era uma garota-propaganda e tanto. Aliás, tinha dela uma imagem diferente, e, vasculhando o HD, achou um clique de tempos bem-bem-pré-pandêmicos em que a moça aparecia sorrindo como poucas são capazes de sorrir, ali na adega da praça, com uma caldereta na mão. Na época deste clique, não enxergava nela uma “vendedora”. Mas, então, anos depois, percebendo que o registro não se apagara com o tempo, tinha entendido o “poder de venda” que se concentrava ali naquela personagem. Levou um tempão, mas tinha sacado que aquilo era um anúncio. E duplo: de chope e de consultório de ortodontia.

As redes já há séculos não são sociais, mas comerciais. Tira esse risinho daí, que isso é sério. Se é que o ódio foi superado, na computância internética, foi para dar lugar às (estratégias de) vendas. Mas não é qualquer uma que vende tão bem. E é disso que estamos falando. Ainda mais que lá pelas tantas a gente descobre que o café não é dela. Na verdade, é coisa da irmã que andou se aventurado pelo interior de São Paulo e agora traz isso na bagagem. Se você é um comprador cuidadoso, não pode ser acusado de stalker. Em algum momento, um cliente mais desconfiado pode chegar a pensar naquilo que bem-bem-antigamente chamavam de “rivalidade” entre os dois picos, RJ e SP. Mas não há de ser uma preocupação que crie raízes: mesmo se tiverem batizado o produto, tenham feito sabe lá o que com o café, para torná-lo especial para os playbas gourmets do litoral, depois de torrado e moído deve ficar tudo certo. Deve ser café com gosto de café mesmo.

A mobilização foi tanta, a partir daquela mensagem publicada no Instagram, que logo depois de ler pela primeira vez o texto, já ficou pensando em quantos amigos frescos, destes que não bebem Pilão e ainda falam mal pra caramba dele, estariam interessados no produto. Talvez pudesse ser um segundo atravessador. A pandemia anda obrigado a gente a pensar em maneiras de levantar um trocado a mais. Mas na verdade não queria ganhar nada com isso, nada que não fosse a gratidão das irmãs. Era só no que pensava. E pensava muito porque, com essa história de investir menos em álcool e mais em cafeína, o cérebro dispara. Neurônios parecem fazer ligações nunca antes experimentadas. E com uma pitada de algoritmo em vez de açúcar, garantindo que o post-anúncio apareceu em cinco das 17 conectadas mais recentes, a mensagem havia se fixado de maneira surpreendente/assustadora. Platão pode explicar.

Há uma formalidade, no café. Ele vem de um universo diferente daquele de onde sai a cerveja. E isso talvez revele, ou ao menos ajude a entender, por que andamos nos dedicando mais a um do que a outro. Cerveja é coisa de boteco. E boteco, por mais que haja um afrouxamento nas regras de isolamento, ainda é proibitivo. O café é um lance mais caseiro. Cerveja é da mesma escola do cachorro-quente-podrão: na rua, ganha um sabor especial. Porque sugere uma interação entre os consumidores. Você até pode ser um bebedor solitário. Mas, ao escolher este avatar, meio que aceita exibir um status e — querendo ou não — pode ser apontado ou virar alvo de um comentário feito por alguém que está num grupo e em busca de assunto. “Olha aquele maluco sozinho quase caindo, ali; puts, como é que dá pra segurar garrafa, copo descartável, cigarro, celular e a porcaria do álcool em gel?”

Quando as artesanais estavam na moda, havia a possibilidade de juntar as duas coisas: café e cerveja. Tinha até bebidas de cor clara mas reunindo os dois sabores. Bom, na verdade, aí não eram dois sabores. Você achava que estava bebendo um café estranho e só sabia que se tratava de uma cerveja porque esta informação vinha escrita na garrafa ou na latinha.

Café gelado, até o fim do século passado, não era uma coisa fácil de ser vista por aqui. As Starbucks e o bagulho da globalização instituíram novos hábitos, nestas terras. Talvez o Covid, que está sendo responsável pelo fechamento de muitas lojas, provoque uma volta ao paladar antigo — se o vírus for suficientemente forte, como apontam os adivinhos de plantão, para varrer daqui as redes gringas que colocam gelo no café com leite e fazem todo mundo acreditar que isso é gostoso. Será que nossa garota-propaganda conseguiria vender um pingado gelado? Será que ela é tão boa assim?

Falar sobre café, cerveja e uma pessoa (mesmo uma garota-propaganda, com o distanciamento garantido pela eventual fama) é uma maneira de mergulhar nas sensações que tanto as bebidas quanto a pessoa em questão são capazes de provocar. Olha só a equação, que apesar de um tanto esdrúxula não deixa de ajudar a entender a relação: gostar de café sem açúcar é uma coisa, e tem gente que tira onda de descolado(a) fazendo esta opção; gostar de uma pessoa sem sal é outra bem diferente, mistura o inaceitável e o inexplicável. Pensar em cerveja “quente” é outra coisa, só inglês ou alemão é capaz de entender. Quando a gente fala em amargor, o da cerveja provoca menos estranheza. Pelo menos no entendimento do bebedor-médio, aquele que preenche os balcões das padarias e botecos mais populares, que não se rendeu ao pingado gelado. E que dependendo da garota-propaganda gasta até o último trocado ou divide no cartão de crédito, mas não deixa de adquirir o produto.

Categorias
Cinema Comportamento Crônica Literatice Paulo-Coelhismo

Óleo básico

O Zé estava falando agora mesmo da Terceira Guerra Mundial. Tem que escrever assim mesmo, com maiúsculas, porque o cara empregou um tom bem sério. O Zé É sério. Comentou sobre a anticiência, sobre coisas que não são provadas, mas, apenas comentadas. “A anticiência dos nossos dias precisa ser absurda pra os computadores serem incapazes de entendê-la”, lançou, cabeceando ele mesmo logo depois: “E os discursos, nascidos sem cálculos, criam parâmetros que sendo bonzinhos a gente pode chamar de fantasiosos. TGM é isso.” Há também quem diga que o atual patamar da taxa de desemprego em países ricos é uma comprovação de que estamos vivendo a Terceira Guerra Mundial. Um vendedor de cursos online recorreu outro dia a estes números pra oferecer seu pacote de aulas. Será que o Zé compra esse tipo de coisa? Quantos terão caído nessa?

A conversa chegou aos robôs e eles foram apontados como os grandes personagens por trás da TGM. “Eles, que vão trabalhar pra sempre nos bancos.” Isso merece virar verso, tem peso para ser um pedaço de letra de música. A gente passa por aqui, por esta vida, mas rapidinho. Mas eles, os robôs, ficarão pela eternidade. Daqui a pouco, vai ter igreja vendendo isso; robôs que permanecerão no mundo para pagarem pelos pecados do humano SORTUDO que tiver conseguido adquirir um. Imagine uma época em que automóveis não serão mais os grandes sonhos de consumo.

Pode surgir uma treta aí, quando as bonecas infláveis reivindicarem seu direito ao óleo básico, querendo igualdade de condições/status com os robôs vendidos pelos templos — em suaves e abençoadas prestações mensais. Tudo com desconto em folha, para facilitar; imaginem! Em breve, a sofisticação cyber pode emprenhar a religiosidade com um detalhe impensável há até bem pouco tempo. Dá para imaginar que teremos grande oferta de modelos de terno e gravata. Um país que adora bandidos escondidos neste figurino, claro, vai achar a coisa mais normal do mundo “investir” em robôs vestidos assim.

Estamos diante de uma retomada do Philip-K-Dickianismo, quando a gente achava que já tinha usado todas as referências para reclamar da lama que nos borra a camiseta que deveria estar limpa para quem ainda não desistiu de encarar uma Smart Fit da vida. Com hora marcada, agora, para que sejamos montanhas de músculos re-al-men-te saudáveis, isto é, livres do Covid. Já houve quem, com alguma pretensão de ser humano-e-esclarecido, questionasse estes templos da boa forma, acusando aquele ambiente de criar… robôs. Profético, né, esse pessoal da psicanálise!? Mas a provocação não chegou a ganhar eco entre a intelectualidade. Nas mãos de um Fausto Fawcett, isso talvez rendesse um álbum.

Dirão alguns que falar sobre máquinas é falar do mesmo. Mas elas evoluem tanto que acaba sendo algo novo, porque jogamos luz sobre modelos fresquinhos. Máquinas carregam um princípio Tostines. Máquinas e Marcas, como essas “coisas” estão próximas, hein, caramba! Próximas, não. Podem ser tomadas como uma só coisa. As guerras estão aí para estimular as indústrias e o consumo, já tivemos toneladas de punkrocks, pelo menos duas gerações de anarcopunks explicando isso. Na Terceira Guerra Mundial, não seria diferente. Humanos de boa vontade concordarão.

Dick é o verdadeiro pai dos replicantes
Dick é o verdadeiro pai dos replicantes

Categorias
Comer Comportamento Crônica Freudcast Literatice Paulo-Coelhismo Poesia Umbigada

Padaria

Saudade parece que nunca anda sozinha. A falta que a gente sente de escrever ou de desenhar se emenda fácil, fácil, na falta que faz (convi)ver (co’)uma determinada pessoa. Numa época em que rabiscar pensando em alguém tornou-se um exercício muito mais comum e possível do que rabiscar olhando de perto para alguém, é bom achar uma maneira de lidar com elas, as saudades. Sobram os textos, às vezes, e sorte de quem consegue achar que isso é muito/suficiente.

Fica um pouco chato quando, quase clicando no link da sabotagem, o cara se pega fugindo da escrita, guiado por algum circuito da cachola em que aquilo se transformou numa obrigação. Saudade, quando vem, está longe de ser uma obrigação. É isso sim uma orca te perseguindo na praia, você sabendo que não está suficientemente perto da areia para conseguir fugir. É bom respeitar/aceitar o texto, quando ele surge, porque se aquilo escapa você provavelmente nunca mais conseguirá rever/repensar naqueles mesmos “moldes”. Textos mais do que nunca moldam saudades.

Com a poesia é a mesma coisa. Ou pior. Porque com os versos a gente pode ficar mais escabreado, juntando à possibilidade de registro o medo do ridículo. Se para provocar a gente diz que “fazer poesia é fácil, difícil é confessar que fez…”, imagina pensar poesia, e não escrever nada… No mundo ideal, seria ainda mais “confortável”. Mas o desespero de perder um versinho, um versinho que seja, pode ser também uma semente de ferida com a qual ninguém aí está preparado para lidar. Se disser que está, pode ser uma declaração que não passa de cagaço. Trocando em miúdos, é isso: cagaço.

Teve esta semana a história de um cara que, para lidar com a falta de tempo e a saudade, ocupava ainda mais as brechas que se lhe apresentavam. Isso. Não tinha tempo e tratava de ter ainda menos. Desandou a fazer pães. Cismou com isso e dizia aos manos que aquela “brincadeira” era uma espécie de meditação. Mais um louco-de-pandemia. Quando comia o resultado do trampo, da queima de um tempo que nem existia direito, ou quando distribuía aquilo entre amigues, relaxava. E percebia um alívio. Mas durava só um piscar de olhos, porque a onda era preencher todas, todas as brechas. Pra muita gente, não tem dado tempo de sentir nada.

Lidar com o tempo nunca foi fácil. Com a saudade, menos ainda. Nestes dias, a tarefa parece ter assumido ares ainda mais impossibilitadores. Porque a gente pode se pegar sem conseguir decidir se ele, o tempo, está passando rápido demais ou demasiado lento. No mesmo dia, você pode ouvir alguém dizendo que “já é Agosto” e uma esquina depois que “nem parece que já se passaram quatro meses de trancamento em casa”. O mundo precisa se decidir.

Categorias
Conto Literatice

Nina

Continuava lá. Na janela. Já não precisava dizer que estava esperando. Geral sabia. A gente só não entendia ainda bem o quê. Ela nunca disse, na verdade, nunca houve uma explicação, um “peraí que eu já volto”. E já não dava tempo de perguntar se por acaso era na verdade um “quem”. E não dava tempo porque ela não recebia mais ninguém. Havia uma aposentadoria e uma internet que lhe garantiam a possibilidade de pedir tudo em casa. Talvez estivesse investindo numa história, construindo uma personagem. Fosse ou não esta a opção de Nina, era muito incômodo chegar ali, na esquina, olhar pro terceiro andar do prédio amarelo, perceber a janelinha aberta e a tiazinha, lá, com uma cara que nem era exatamente de triste mas… Talvez fosse de amargurada, sim, mas as pessoas tinham se acostumado a ver aquela mulher na praça sempre sorrindo e não se rendiam, insistiam que não era dor aquilo que contornava o rosto já um pouco enrugado. Parecia que todas as rugas tinham surgido nos últimos três meses. Ou quatro. Ou cinco. Ninguém sabia ao certo.

Uma mulher que já tinha sido apontada como esperta. Pois é. Tinha decidido não fazer outra coisa que não fosse esperar. Havia quem se perguntasse se aquela na verdade não era a grande esperteza dela, a grande tacada, e quando temperavam este questionamento chegavam a falar até em aumento da pensão, em uma espécie de fiscal que chegaria para conferir as coisas e veria que se tratava de uma pessoa mentalmente debilitada e por isso haveria um cascalho adicional no benefício mensal. Talvez ela já estivesse ganhando mais e por isso podia se dar ao luxo de pedir tudo em casa. Comida, produtos de limpeza. “Será que chega roupa também?” Esta teoria era da Ana Maria, que era assim, ó, com Nina antes do início daquela novela toda na janela do terceiro andar. Ana Maria desconfiava que havia algum planejamento naquilo porque Nina havia se mudado de um apartamento de fundos para aquele ali, de frente, e isso, segundo a ex-amiga, era uma garantia de ser vista, coisa que seria impossível no imóvel que dava para os fundos. E a gente diz “ex-amiga” porque é assim que Ana Maria se sente. E ela sente mesmo porque já fez cara de choro na praça pra falar da ex-amiga.

Tinha começado, aquilo, sei lá, havia já meses. “Meses?” “Quantos meses?” Ninguém sabia ao certo. Nem dava pra apostar porque não existia resposta precisa e confiável.”Quem vai controlar as apostas? E o prêmio? Vai dar confusão.”  Havia quem desconfiasse da existência de um acerto entre ela e o Zinho. O Zinho lá da praia, que o Tuca, o Tuca ali da Paralela… Então, o Tuca lembrava muito bem que o Zinho tinha começado a falar com o pessoal do bar da esquina, o do Leco, que a Nina estava estranha, ali na janela, meio que não se mexia, parecia uma estátua, e não dava mais as caras na praça, fazia pose de que estava aguardando alguma coisa. Tuca sacaneava dizendo que o Zinho passava quatro cevejas afirmando que a dona Nina não perderia tempo tomando conta da vida dos outros. Não falava de outra história, no bar, o Zinho; insistia que ela estava esperando alguma coisa. Era zoado pelos outros caras da turma da praia, como se estivesse ele de olho na mulher. E ficava lá, imóvel, também, no balcão, olhando para o nada, em muitas ocasiões, tentando encontrar uma explicação. Olhando para o nada, na esperança de pescar alguma coisa.

Zinho ficou parado algumas vezes, em frente ao prédio, mirando a janela do terceiro andar, e fez isso como se fosse também ele um personagem, um personagem de vídeo, um vídeo desses nada nobres de YouTube em que alguma palhaçada acontece, em que um mané é capaz de mobilizar uma multidão, com um gesto simples como o de olhar para cima, numa esquina de uma grande cidade, mas ninguém chegou a filmar, não, chegaram só a se aglomerar um pouco porque era ainda uma época em que a aglomeração era permitida e ficaram lá, umas tantas cabeças, olhando para a dona Nina. Zinho teve vontade de gritar “Ô, Ni-na! Dona Ni-na!” Mas não gritou. Ela parecia alheia a todos. Com certeza não estava ali a pessoa tão aguardada.

Categorias
Comportamento Crônica Ctrl + C -> Ctrl + V Literatice Música Paulo-Coelhismo

Um brinde, Bebel

Para fugir da(s possibilidades de aglomeração), três caras marcam um encontro naquele que para o grupo é o boteco-do-coração. Em Copacabana, às 14h de uma terça-feira. Serão apontados como exemplo de vagabundagem e vão se orgulhar de defender a essência da carioquice. Sem falar que se os chopes forem como antigamente, tudo/muito terá valido a pena. É no que acreditam, estes irresponsáveis. O grande lamento é que neste horário o garçom preferido deles, o Beto, ainda estará em casa. A promessa de beber apenas três copos é isso, uma promessa. Em nome de velhos sonhos, que vêm se desfazendo, cumprir o escrito, mesmo se estiver escrito no WApp, está com tudo. Cumprir o combinado é o novo black. Mesmo de mentirinha. Mesmo para os irresponsáveis.

Outro black parece ser o zine novo do MZK. Está lá no Foicebook, um aperitivo, para quem quiser ver. Se é para a gente ser engolido pela WWW e ainda por cima ser acusado de dar piti, que o azul seja outro diferente daquele do Foicebook, né? Aquele troço lá só pra de vez em quando mesmo, para colocar o link de uma crônica ou outra e, sem querer querendo, esbarrar com desenhos de caras como o Maurício Zuffo Kuhlman. E do Sica. Também tinha um livro do Rafael Sica, anunciado lá. Tiragem baixa, acho que com assinatura. O minúsculo e o gigante, conforme disseram três décadas atrás, estão se confirmando como tendência. O minúsculo, que são caras como estes artistas aí, estão dando de dez nos gigantes. Esqueceram de falar nos miseráveis, naquelas palestras dos anos 90, e continuam esquecendo agora.

Para lidar com gigantes, vale seguir as dicas sobre como ludibriar o algoritmo. Tem uma história de visitar páginas feitas por pessoas com as quais você não concorda muito. E até mesmo fazer comentários. Porque assim afrouxam-se os filtros sobre o que te é oferecido na timeline. Que coisa, hein!? Perca aí uma tarde pensando, pra ver se encontra equivalente para isso nos tempos passados. Surge no ar a pergunta sobre a necessidade de ter filtros/algoritmos para oferecerem aquilo que vamos consumir/ler/ouvir/ver. Mas uma terceira acusação de piti ninguém aguenta. Desligar o aparelhinho está cada vez mais difícil. Dirão os esquerdopatas que “feliz era o porteiro, que mergulhava no radinho de pilha mas ainda tinha algum tempo para brigar sobre futebol”.

Naquele lugar em que se encontram gigantes, anões, blacks, whites, enfim, quem estiver de máscara e não se importar com xingamento… bem ali, estão os sonhos. Recorrentes, às vezes, e nestes dias de Blade Runner se materializando em cada esquina. Como as bonecas com aparência quase humana para quem se sente “só”. O Zé Sem Nome falava outro dia sobre robôs e testes feitos com robôs, sobre como isso desperta a compaixão de certos humanos. Pois é, Zé, a humanidade, está mais do que se afeiçoando às máquinas. Investindo neste tipo de “aparência” para si mesmo, facilita muito as coisas para a indústria. Eram proféticos os versos d’Os Replicantes, em “Astronauta”: “…Agora quando a lua cresce no céu/ Aperto contra o peito o coração de Bebel/ E abençoo toda a indústria eletrônica/ Por ter criado a minha nova esposa fiel/ E molho a garganta tentando me livrar/ Das últimas partículas de poeira lunar/ Bebel então percebe e começa a chorar/ E eu tenho medo que ela vá enferrujar…”

Categorias
Conto Desenho Literatice Parece Poesia Umbigada XXX

Sinais

Cor-de-rosa, branco, verde, bege e azul. Uma mistura improvável que dá certo. Cabelos soltos, mostrando que estão maiores. Isso também dá certo. Um daqueles brincos de mandala, com arco, penas roxas, que chegam até o ombro e ficam batendo, ali, meio como uma maré. Um brinco-maré, taí. Maquiagem, de leve; como se precisasse daquilo para mostrar as maçãs do rosto, mas sem carregar demais, sem exagerar, delicadamente, pedindo licença. Parecendo mais magra do que estava, meses antes. Flores amarelas. Porta branca. Paredes meio cinzentas. Estante despretensiosa, sem aquele monte de livros que acabamos nos acostumamos a ver em vídeos. Um objeto que parecia uma luminária, lá atrás, tem um tom metálico, prateado mas fosco, sem chamar muito a atenção. O que será que tem dentro daquelas caixinhas de madeira, na mesinha?

Os movimentos com os braços, longe da helicopterização feroz dos candidatos a VJ de antigamente, sugerem algum ensaio anterior. Sabe bem o que faz com as mãos. Talvez tenham rolando uns 30 minutos de meditação. O jeito como olha para uma determinada direção… sei lá, pode ter alguma coisa escrita ali, na frente dela, mas isso não é nada. Quer dizer, de maneira nenhuma compromete a apresentação. O jeito como saem as palavras nos passa tanta, mas tanta segurança, que mesmo se você não está muito interessado no assunto é capaz de ficar ali, por horas. Horas mesmo. Se assistir ao programinha por quatro vezes, já passa de uma hora no total. São, sei lá, três histórias, em 15 minutos? Melhor ver mais uma vez. E as três, ou sei lá quantas histórias são, constroem um lance maior, que é a grande mensagem sendo compartilhada ali. Os detalhes são muitos, as histórias se misturam. Talvez nem dê pra dizer que são em tal número, talvez seja mais seguro informar que se trata de uma grande história e pronto.

Toda aquela preparação, o ambiente, o cabelo, a blusa, o roteiro escrito que a gente nunca vai ter certeza se rolou ou não mas podemos apostar que sim existiu, tudo isso, enfim, garante um espetáculo pelo qual mesmo o mais sovina dos rocha-mirandenses pagaria bons trocados para testemunhar. Mas um dos melhores detalhes de tudo é que a lição está ali para ser vista por geral, todo candidato a discípulo que tiver um computador ou telefone-esperto de hoje em dia, com um daqueles planos para acessar rede social, enfim, todo mundo pode ver a mestra em ação. Todo mundo tem a chance de fazer parte do grupo que vai dormir em dúvida sobre o que ela quis realmente dizer aos 4m37s quando citou o exemplo das velas que se apagam. Ou, o que é melhor, com a certeza de que ela estava falando sobre si mesma quando garantiu que basta uma mulher um pouco mais atenta para que as coisas não desandem numa negociação para o estabelecimento de responsabilidades numa parceria romântica. Isso foi ao 7m43s e é um dos melhores momentos da fala.

E quando ela solta um “Perdoem o meu francês mas… foda-se”!? Que firmeza. Que desprendimento. Foi como uma gingada, um movimento de Capoeira, com graça e muito certeiro, dado para derrubar quem estivesse na frente. Uma dose de raiva. Uma pitada de força. O cara já cai só de perceber o que vai ser atingido. Se ela segurasse o golpe, mesmo assim ele seria eficiente. “Peraí, esta frase é de uma outra aula, a de terça-feira, é tanta informação que qualquer um pode confundir tudo. Vamos ver de novo para não misturar as coisas.” Acaba sendo uma boa oportunidade para conferir se aparecem mesmo umas borboletas por volta dos 10m. Borboletas amarelas, é esta a impressão que dá. Passam bem rapidinho, pelo canto superior esquerdo da tela. E o mais legal é que são duas. Duas borboletas, gente. Quando é que você viu isso num vídeo? Não dá para ensaiar com borboletas. Aquilo foi um sinal.

Categorias
Comportamento Crônica Literatice Paulo-Coelhismo Sem categoria XXX

Sem crachá?

O pessoal da Astrologia está dizendo que o Sol… Ah, passou rápido demais. Não deu pra pegar. Mas está fazendo sol, hoje, e esta minúscula no início, na sequência, não é “desrespeito”; é só pra aproveitar com mais intimidade. O pessoal da Astrologia também estava falando de Lilith. Mas a grande preocupação do dia é com a fiscalização. Os homens com crachás vão voltar e é bom que esteja tudo em ordem. Depois da ordem, vai ser o caso de torcer: para os caras terem alcançado um bronzeado legal e estarem bem-humorados. “Se o Sol está contente, também vale a pena a gente ficar”, dizem na internet os estudiosos dos astros. Fiscais pálidos, a gente ainda encara. Mas se estiverem azedos, aí…

Além da multiplicação de lives no Instagram e no Youtube, a rede mundial de computadores assistiu a uma revoada de aconselhamentos e cursos. De todos os tipos. Ontem, este escriba foi alvo de propagandas de uma série educativa sobre Magia. Ninguém quer problemas com fiscais e nem tampouco com magos. Vai ficar endinheirado, o sujeito que resolver montar um pacote de programas que ensine como lidar com representantes do Poder Público. Será que, na primeira aula, aquela gratuita, já seria o caso de pintar a dica de oferecer água ou cafezinho para começar a conversar depois disso? Que toque você aí dá para o empreendedor?

Talking Heads, a banda, tinha este nome numa alusão às cabeças que ficavam falando na TV. Hoje em dia, quando a TV parece ter ficado no passado, cabeças continuam falando e brigando por fama. E por dinheiro, claro, através de cursos (atualmente). Se for só fama, é bom o pessoal rever os sonhos porque parece época de se contentar com 15 segundos. Em época de pandemia, o noticiário faz a gente não saber se ainda tem 15 minutos de vida… E se vier um trocadinho junto, ótimo, claro. Imagina quando começar a fiscalização na WWW. Como será chamar para um cafezinho, via computador?

Não se tem mais notícia de concurso público. Mas, num passado não muito distante, todo mundo tinha um conhecido que estudava para ser aprovado em um. Talvez o poder do fiscal faça parte do emaranhado-inconsciente-coletivo dos nossos dias. Porque quando você se depara com um sujeito marrento, por exemplo, conhecedor de um determinado assunto, é como se ele fosse fiscal daquilo.

Imagina Fiscal de Hendrix, por exemplo. Existe. Teve aquele caso do amigo que, para testar o outro, desafiou: “Me diz o nome de uma música do Hendrix. Só uma!” Era uma daquelas antigas conversas sobre música, coisa comum de acontecer em botequim. E a prosa empacou, ali. Por conta da bebedeira, ou por desconhecimento mesmo, não houve resposta do desafiado e o desafiante, digo, o Fiscal de Hendrix, voltou para casa com a sensação de ter humilhado um adversário, alguém que havia vindo ao mundo para lamber-lhe as botas, glauco-mattosomente falando.

Era comum, antes da pandemia, a gente ouvir também a respeito do Fiscal da Natureza. Falar isso sobre alguém era como um xingamento. De leve, mas era. Melhor evitar a piada, porque ninguém quer ver fiscal ficando nervosinho.