Categorias
Arte Comportamento Crônica Ctrl + C -> Ctrl + V Vídeo

Ás Mascarado

Era uma brincadeira que aparecia no desenho animado do Snoopy: o cachorro malandrão em cima da casinha vermelha, com uma máscara, como se estivesse pilotando um avião. Nestas ocasiões, ele era o Ás Mascarado. A gente se acostumou com pessoas usando esses troços que escondem boa parte da cara? Alguns de nós talvez sim. Outros tantos infelizmente não se renderam à ideia de que é preciso mesmo aderir ao lance. Aqui, uma aparição do “artista de rua” mais malandro, endinheirado e marqueteiro do planeta. Um verdadeiro Ás Mascarado. No metrô de Londres, pra lá de protegido, deixando uma de suas mensagens. Postado ontem no @banksy. Esse ratinho já é clássico… Quem aí não investiria uns dez cruzeiros pra ter um na parede da sala?

View this post on Instagram

. . If you don’t mask – you don’t get.

A post shared by Banksy (@banksy) on

Categorias
Cinema Comportamento Crônica Literatice Música Quadrinhos

Já prepara aí

Preparação. É uma coisa que você consegue perceber no cinema. É quando — literalmente — preparam a gente pra algo que vai acontecer. Mostram, sei lá, um bicho morto e você com razão saca e pensa: “Ih, vai dar M…” Afinal, M de cara pode não fazer muito sentido, pelo menos para quem ainda se liga em histórias bem contadas, então, num bom filme, te preparam direitinho para a M. As samambaias que sumiram ali no número 39, as begônias que o Capitão Nando percebeu que faltavam lá no 57 e… bom, o desaparecimento da samambaia que enfeitava ali o cantinho da praça foi a gota d’água. “Tem alguém surrupiando as bichinhas”, pensou o Capitão.

Ele não era capitão de verdade. Mas gostava de heróis, ou um dia tinha gostado do Capitão Marvel, e brincava com a esposa quando chegava em casa: “Capitão Nando na Área!” Ela respondia com um “Shazam!!” Isso mesmo. Assim como há as Loucas dos Gatos, há os Defensores das Verdinhas. Ele preferia, por uma questão meio moral, chamar as plantas de “Verdinhas” em vez de “Bichinhas”. Mas quando deu por falta da Samambaia o sofrimento foi tanto que não conseguiu controlar o vocabulário. Sabia que deveria ter controlado, porque, com superpoderes, vêm as super-responsabilidades; inclusive as semânticas. Sim, nosso herói também gostava do Spider-Man.

Nando, isto é, Capitão Nando vinha andando, não muito atento, pela Senador Correa, aquela rua que dá bem na praça, quando seu Instinto Verdinho fez seus pelos se eriçarem. Viu perto da igreja uma velhinha que agachava lentamente, porque é assim que a maioria das velhinhas faz, levando a mão na direção de uma pobre e indefesa Espada de São Jorge que alegrava ali o jardinzinho em frente à casa do Seu Zeca. Apressou o passo, agradecendo aos céus por ter este superpoder. Resolveu recorrer ao supergogó, quando viu que a velhinha era rápida no agachamento e a Espada de São Jorge ali sozinha não tinha a menor chance naquela briga. “EI, SENHORA!” Tirou a máscara, sem que ela se desprendesse da orelha direita, falou, e colocou de volta.

Esperou que ela respondesse com “Senhora, não…” e completasse com sua alcunha de vilã. Mas Dona Melina não foi além de ficar um pouco ruborizada. Levantou-se, ela; como quem assume que está fazendo algo que não é mesmo aquilo que os padres ensinavam nas missas de antigamente. É, os ensinamentos de antigamente, nas missas, deviam ser melhores que as de hoje. No Largo do Machado, por exemplo, já se viu sacerdote que fala até em armas em tom de “piada” quando quer repreender catequista. Mas aí é outra história, assunto para outro super-herói. Deus, talvez.

Dona Melina arrumou o vestido verde-claro, com as mãos sujas, e soltou um palavrãozinho quando percebeu que isso tinha deixado uma mancha na roupa. Foi bem no instante em que o Capitão Nando estava a uma distância em que era possível ouvir o que saía da boca da inimiga recém-descoberta. Era a vez de ele ruborizar um pouco. Herói e Vilã que ruborizam, frente a frente, não é coisa que se vê todo dia. Parecia que a batalha ia ser boa. Lembrava cinema de verdade porque de alguma janela saíam os versos de “Agressão repressão”, com os Ratos de Porão. Devia ser do apartamento do Ari, que é conhecido como metaleiro mas ouve na boa umas coisas de crossover. Música também serve como preparação, dá um clima. O filme, quer dizer, a chapa estava esquentando.

“O que que a senhora tá fazendo aí? Deixa a plantinha! Solta a plantinha, por favor!”, desafiou Nando, o Capitão dessa vez sem afastar a máscara. Foi quando pensou em usar no rosto algo que trouxesse uma frase do tipo “Salve as Verdinhas!”, mas desistiu logo porque podiam achar que ele estava se referindo a dólares e não a plantas. Pensaria mais tarde noutra mensagem para estampar. Era hora de manter o foco. “Geeente, eu só tava pensando em levar a bichinha pra colocar num vasozinho…”, devolveu a anciã, sem para isso retirar seus acessórios pandêmicos: máscara de pano com compartimento para filtro descartável e aquela proteção que se assemelha a um para-brisa.

Era uma vilã que sabia se proteger. Mas o aparato dificultava-lhe a comunicação. O Capitão tinha a resposta, mesmo sem entender bem o que tinha saído da boca daquela “bandida”: “No Cadeg, a senhora acha várias. Lá, todas elas precisam de alguém que cuide delas…” Disse isso e sorriu, satisfeito com a dose de sarcasmo, velocidade e firmeza que havia colocado nas palavras.

Coadjuvantes se aprumaram e ameaçaram uma aproximação, nem todos com máscaras, mas todos sim com celulares nas mãos. Foi quando herói e vilã perceberam que não estavam num filme e, melhor, não queriam virar manchete de um daqueles programas tristes de TV aberta, à tardinha; quando são apresentados casos que invariavelmente dão em desgraceira. Dona Melina praguejou contra o defensor da Espada de São Jorge, de novo vermelha mas desta vez de raiva, e foi saindo. O Capitão Nando atravessou a rua, sem encarar os outros atores. E os dois sumiram rapidinho da cena. Como num filme.

Categorias
Sem categoria

@monteiro4852 #6

O caladão de Santa Cruz da Serra, defensor das bikes, adorador de pastéis de siri e às vezes também de chopes, homem de essência noventista… ataca de novo!

Categorias
Ctrl + C -> Ctrl + V Música

Martin Solis & Los Primos. Eu disse Pri-mos

Olha que fofo, este colorido:


Vai sair lá pela Third Man Records. Você pode chamar isso de old-school. E vale a piada: Los Primos, nada a ver com Los Hermanos.

Clique para dar uma sacada em como é o som.

Categorias
Crônica Freudcast Literatice Paulo-Coelhismo

Defcon o quê?

Tava com a corda toda, hoje de manhã, a vizinha. Logo cedo, berrou contra o marido, é, devia ser o marido, berrou que ele não tivera coragem de fazer o caderninho de realizações, então, que não viesse agora em plena pandemia reclamar com ela sobre os desejos não alcançados. Será que tinha sexo, na lista não feita? Minutos de silêncio. Minutos mesmo, longos, longos períodos de silêncio; era uma berração feroz mas pausada. E o infeliz, e vale dizer infeliz porque se podia deduzir que os desejos não vinham sendo realizados, e o infeliz responde: “É que eu sabia que se fizesse você ia dar um jeito de ir lá pra ler o que tava escrito. E caderninho de realizações, sua louca, tem que ser uma coisa feita em segredo. E segredo é uma coisa que não se divide com ninguém.” Agora, boa parte da vizinhança sabia da história. Mas não era assim tão terrível porque estávamos diante de um segredo que não existia. O caderninho dele não existia.

Outra coisa que provavelmente toda a vizinhança sabia é que o mané não devia ter usado a palavra “louca”. O ritmo da pendenga mudou, ali, bem naquele instante. Os minutos de silêncio, o xadrez barulhento mas que até então poderia ser considerado “elegante” deu lugar a uma pelada, um totó cheio de desespero, recheado de roletadas. Foram apenas milésimos de segundos, se desse pra contar, sim, daria pra dizer que, milésimos de segundos após disparada a acusação, a quebradeira começou. Os que moramos em volta ficamos algum tempo, também menos que minutos, sem saber se o que rolava era uma destruição de coisas da casa ou do marido em si.

Já se vão umas duas horas de silêncio. E continuávamos sem saber, nós que tínhamos acordado cedo na segunda-feira ainda pandêmica, pra fazer coisa nenhuma além de pensar. Talvez tenham começado juntos o caderninho, sem segredos. E dizer que o lance é sem segredos passava até certo ponto a incluir moradores de umas boas três dúzias de apartamentos. De dois e três quartos, com dependências. Esperamos todos que isso pese, se for pesar, claro, que pese positivamente na realização dos desejos deles lá. E como neste momento de isolamento estamos nos tornando pessoas diferentes, diferentes no mínimo no sentido de mais gordos e gordas, esperamos também que alguns de nós tomem aquela treta como inspiração para começamos nossos próprios caderninhos de realizações.

Mesmo sem saber bem o que é uma coisa, a gente pode começar. O velho ensinamento, e dizemos velho porque é de antes da pandemia, o velho ensinamento de que basta um passo e você já está noutro lugar serve bem pra isso. Serve pra muita coisa. Mas estamos falando de caderninhos de realizações, então, por favor, concentre-se. E faça a sua lista. Pense um pouco antes se vai manter a coisa em segredo. E se é segredo Defcon 5 ou 3 ou 2. Porque periga ter uma hora em que alguém pode descobrir e os seus desejos se pá vão se espalhar pela vizinhança. Por umas boas três dúzias de apartamentos, pelo menos, onde moram pessoas que você nem conhece. Mas que podem saber/desconfiar quem é você.

Categorias
Música Resenha Umbigada

Acorda, Weller!

Um camarada pediu um texto sobre Paul Weller. Pra um projeto. Uma das tantas ideias que a gente vem discutindo, nas últimas semanas. “Pô, Paul Weller?”, me perguntei, de cara, meio sem coragem de falar com o mano que acho meio sem graça esse PW aí. Foram dois dias ouvindo o recém-lançado “On sunset”, com suas 15 faixas (sendo dois repetecos: um remix e outro instrumental), pra chegar à conclusão de que, hm, sabe? É mesmo insosso, o negócio.  E ainda por cima começo a escrever sem saber se é pra ser um texto-texto-mesmo, destes que as pessoas leem, ou se o bagulho é pra funcionar como “roteiro”: pra ser lido, pra alimentar/orientar um locutor. Sabe?

PW, que na verdade é JWW (John William Weller) é um britânico sessentão, cantor e compositor, que não foge à regra de ter feito coisas melhores quando começou a carreira. No caso dele, o começo foi com o The Jam. Neste álbum de agora, PW/JWW inicia melancólico com “Mirror ball”. Parece até que estava numa quarentena ou algo assim, eu, hein! Tem hora que OK a faixa de abertura ganha alguma animação, mas segue como se fosse uma música para quem tem tempo, muito tempo para ficar ouvindo sobre indecisões e passados mais felizes. “Baptiste” vem depois, um pouco mais suingada, como que pra salvar um pouco a situação. Uma música mais “simples”, que fica ainda mais simples quando aparece uma segunda vez, fechando o álbum, sem a letra, isto é, em versão instrumental.

Talvez a gente possa dizer que “Walkin'” é uma música com uma mensagem clara, neste disco. E esta mensagem é de otimismo. Otimismo água-com-açúcar, sabe? Talvez seja euforia para inglês ver/ouvir. Também é uma faixa que serve para pensarmos que estamos diante de um trabalho de altos e baixos. Porque “Walkin'” vem logo depois de “Equanimity”, que é do time das soturnas.

Mas… Verdade seja dita: elas, as soturnas, não estão em maior número, porque há também as que ficam em cima do muro. Você aí que está procurando raios de sol, pode encontrar alguma coisa do tipo em “Earth beat” (“She’s a new day, a new morning…”): esta sim é gostosa de ouvir, mesmo que não seja a coisa mais original do mundo. Há um momento mais rock, em “Ploughman”. Benza Deus. Talvez estejamos falando aí da melhor faixa de todas. Outra candidata ao posto é “More”, com um groove que até se sustenta mas peca pelos solos abusivos.

“On sunset”, que dá título ao trabalho, é bluesy, e merece o rótulo de “bem atual”, por trazer na letra um detalhe que, se não for uma alusão aos dias de isolamento que estamos vivendo, é um lance profético: “And the world I knew has all gone by.” Mais? “Rockets” não decola, “I ‘ll think of something” talvez alguma noite numa arena sirva de pano de fundo para pessoas acendendo isqueiros, “4th dimension” é instrumental mas, tá, e daí?

Categorias
Parece Poesia Poesia Tipo Poesia

Ipanema, antes das sete / Ela correndo / A praia merece / O mundo brilha / Tudo em volta floresce

Categorias
Arte Desenho

@monteiro4852 #5

Valeu, Alberto.

A gente tem que combinar aquele pastel de siri…

Categorias
Comportamento Crônica Literatice XXX

Senhor Perigo, Dona Paranoia e companhia

Esta onda de reabertura oficial-e-escandalosa dos botecos, como se durante as últimas semanas muitos não tivessem desrespeitado completamente o “isolamento”, serviu para matarmos saudades que sentimos de certos personagens. O primeiro deles, antes que você reclame da irresponsabilidade desta crônica, é o Perigo. Vamos chamá-lo de Senhor Perigo, em sinal de respeito. Ele sempre esteve aí, ainda mais nestes últimos meses, mas quando de repente disseram “Pode abrir o bagulho todo, mas fechem o bagulho todo às 23h que tá tudo mais ou menos bem”, foi como se o Senhor Perigo estivesse distante e só esperando… E assim ele recebeu um convite para que voltasse a conviver oficialmente conosco. E fazer das suas. Deu um sorrisinho e aceitou, claro. Como se não tivesse sido recentemente uma das companhias mais constantes, ao lado de Dona Paranoia, Seu Vá Pro Inferno e Prima Angústia.

Claro, gente menos famosa apareceu para a festa. Era festa, afinal. Gente sem nome. Bêbado, não precisa de nome. De sobrenome, talvez. O Bêbado Sensível, por exemplo, que fica magoado quando tem que engolir junto com o 12-anos-cowboy uma amiga ladrando, a uma certa distância, talvez, que ele não passa de um “cachorro velho”. Isso provoca um estrago no coração de qualquer bicho que tenha o corpo de fato coberto por pelos brancos. A reabertura trouxe volta tristezinhas particulares assim nestes moldes. Mas aí são fatos isolados. Só mesmo para temperar a crônica. O que nos interessa são personagens famosos. É disso que vivem escriba e leitor. O Poder Público, nem se fala…

A reabertura dos bares trouxe de volta também Uma Certa Verdade. Ela estava solta, soltinha por aí. Houve quem tentasse apropriar-se dela para esfregá-la na cara de outrem. Mas Uma Certa Verdade manteve(-se) (n)a linha, arrumou a máscara e continuou desfilando sem dar bola para manipuladores de plantão. Ainda não houve quem conseguisse alcançá-la.

E, claro… Em nome da civilidade (solte agora aquela gargalhada debochada), ainda não é hora de esfregar nada na cara de ninguém. Isso seria um atentado contra as Regras de Ouro. Regras do Outro, não; Regras de Ouro mesmo, que foi como a Prefeitura da Cidade Pentecostosa do Ria Aí de Janeiro a Janeiro (pra não chorar) chamou o conjunto de normas a serem seguidas pelos estabelecimentos para que pudessem reabrir sem colocar em risco a população. Se Uma Certa Verdade estivesse em dias mais gloriosos, se pudesse atuar com cem por cento de sua capacidade de esfregação, faria o Poder Público entender que o grande risco na verdade é ele.

Quem também resolveu dar as caras foi o Beijo Na Boca. Afinal, do que adianta ir para o Lebronx, encher os cornos e voltar para casa no zero-a-zero? Vomitar, apenas, não tem graça. Antes disso, é preciso ensaiar ao menos uma bitoquinha naquela mina, naquele mano que acredita na liberdade. Por mais que, para alegrar a noite da tradicional família cariokkk, as manchetes televisivas tenham se concentrado no distanciamento responsável que não existiu… o Beijo Na Boca merecia destaque porque foi outro personagem muito visto por aí. Sem máscara, claro, porque nesse caso não tem como ser de outro jeito. Beijo e proteção, assim como chupão e comedimento, nunca foram duplas vistas de mãos dadas por aí. Imagine agora.

No bafafá, apontaram os holofotes para aquele caso do cliente que entrou sem máscara no restaurante e, abordado pelo gerente, disparou (palavra mais adequada, impossível): “Meu presidente liberou…” Houve bate-boca, entre as partes. No caso do Beijo Na Boca, não precisava discussão política alguma, porque ambos os lábios quando partem para a ação já estão de acordo em tudo. Nestes dias de Novo Normal, havia no ar um cheirinho de Velho Normal, como era de se esperar, mas aí é outro papo.

Categorias
Literatice Parece Poesia Poesia Sem categoria Tipo Poesia

Chegou pro espelho e disse: / Oi, vim aqui para refletir / A resposta foi uma escovada: / OK, mas arrumar o cabelo não custa nada