Categorias
Comportamento Crônica Paulo-Coelhismo Sem categoria Umbigada XXX

Sabe a Bruna?

Janela perto da rua, em época assim de isolamento, é uma beleza. Você pode ficar fechado e sentindo a vibe da calçada. Tem o cara que varre alguma área bem cedinho. Tem o porteiro do prédio em frente e suas teorias sobre… ah, só bobagem. Tem a dona do cachorro, com voz de quem tem mais de 80, verdadeira especialista em reclamar de alguém que se chama Bruna. É fácil você de ouvinte transformar-se em “cúmplice”. Três manhãs seguidas ouvindo a mesma ladainha e dá até para se perguntar: será que ela está falando mesmo pelo celular ou está querendo ser ouvida, sabe que está sendo ouvida? Quatro manhãs ouvindo que Bruna “é mó muquirana, não sabe reconhecer o que fazem por ela” e já dá pra concordar que se trata de uma grande vacilona.

Às vezes, abrir a janela se apresenta como uma alternativa. Mas fica só nisso, numa possibilidade. Isolamento é isolamento. Alguém tem que respeitar. E vai que o cálculo é mal feito e a inimiga, quer dizer, conhecida da Bruna ainda está ali, esperando o cachorro fazer número dois, porque o bicho pode ser daqueles que demoram, e você dá de cara com ela. O que esperar de uma breve troca de olhares? Será uma conexão carregada de cumplicidade? Ou de desconfiança? A dona vai perceber que você está ali há dias acompanhando aquele desenrolo? Com quem será que ela tanto fala sobre a Bruna? E, hm, como será a Bruna, fisicamente, hein?

Assim, perto de onde passam os carros, fica possível também rever uns episódios do passado das nossas vidas. Nunca há silêncio. Nem à noite. É sempre uma avalabche de informações. Pode-se perceber as construções daquilo que, nas próximas pandemias, daqui a uns 30, 40 anos, será o passado da molecada de hoje: o carro que passa oferecendo “ovos fresquinho”, o outro que promete recolher qualquer tralha de metal que esteja ocupando desnecessariamente espaço em casa: ar-condicionado, máquina de lavar, sucata de alumínio… O vendedor de pamonha deve ter sido contaminado pelo vírus. Que se recupere logo. Será que esse pessoal passa na rua da Bruna?

Os barulhos das campainhas ganham outra dimensão, quando você está em casa, concentrado em alguma tarefa muito importante para fazer o tempo passar, na esperança de afastar a preocupação com o dinheiro que está acabando. O porteiro-eletrônico, que se mistura com os de carne-e-osso de antigamente, e a vizinhança mais silenciosa são capazes de fazer a gente se perguntar: o que essa pessoa do 203 aí de frente tanto compra online, hein? E a Bruna, será que tem cascalho para gastar assim de bobeira, nestes tempos bicudos?

Este grande espetáculo oferecido a quem está disposto a prestar um pouco de atenção aos ruídos que preenchem esse mundão de meu Deus servem também de pulga. Pulga atrás da orelha. Se você está ouvindo geral, geral também está te ouvindo. Cuidado com os sons que produz. Defenda-se da fofoca old-school, aquela que mesmo em tempos de isolamento pode surgir numa calçada, numa fila de banco; é capaz de vir nas conversas telefônicas de alguém sem nome mas com língua afiada, conversando pelo celular, cedinho, em frente a uma jalena silenciosa. Viu, Bruna?

Categorias
Arte Comportamento Ctrl + C -> Ctrl + V Música Sem categoria

Pop, o cachorrão

Imagem: Maurizio Cattelan

Iggy Pop sempre foi meio cachorrão. Feroz. No sentido rock’n’roll. O que é um “bom” sentido, na medida em que, bem, rock é só um troço que se consome aí como também se faz com clássicos, axés, emepebês etc. E, talvez por ser cachorrão, era fácil lembrar logo da maravilhosa “I wanna be your dog”, quando se falava dele. E não é que, no projeto “Bedtime stories“, para o New Museum (NY), ele dá o pontapé inicial lendo um trecho em que só falta latir…!? Vai ser mais fácil a criançada ficar com o olho arregalado do que pegar no sono, depois de ouvi-lo.

Imagem: Maurizio Cattelan

Por trás de tudo está um cara chamado Maurizio Cattelan, que meses atrás foi aplaudido por colar uma banana numa parede usando fita adesiva. O New Museum fica em NY, pelo que diz o Google, e foi inaugurado em 1977, na Bowery —  mesma via em que ficava o CBGB. A gravação faz parte de um desses projetos que oferecem uma coisinha digital a mais para a humanidade suportar o período de isolamento pelo qual está passando. Um bando de outros artistas vai participar do projeto, incluindo David Byrne (sabe?), Jeff Koons (o do coelho de 90 milhões de dólares) e Raymond Pettibon (aquele que fez a logo do Black Flag).