Categorias
Arte Comportamento Crônica Desenho Literatice Paulo-Coelhismo Umbigada XXX

A gente que desenha #2

Dias em que você em algum momento acha que não deveria ter saído de casa. Dias em que uma certa timidez toma conta de tudo. Aqueles dias. Dias em que o pessoal do laboratório atrasa três horas, ferra com o intervalo do almoço, faz o jejum transformar-se num vazio-de-ódio. Dias em que quase se dá graças à Deusa pelo cabelo comprido, quase um superpoder, quase um manto-da-invisibilidade. “Tipo hoje”, x modelx parecia dizer, usando aqueles poucos centímetros de franja como uma lona de caminhão. Vale tudo, em dias assim. Tudo para se esconder.

Nenhum intervalo entre as poses. Pressa. A vida está passando. O alarme do celular mais do que funcionar bem parece estar acelerado. O rosto não pode ficar sempre virado para a parede dos fundos, então, aquele imenso vazio para onde elx olha parece tão importante e tão cumpridor do papel de acolhedor de desespero que até dá vontade de a gente que observa virar pra tentar entender o que há por lá.

Encarar de frente uma plateia que empunha objetos como papéis e lápiz e bastões de carvão e sprays de laquê que não serão usados na cabeça pode ser uma tarefa complicada num dia complicado. É quando plateia rima bem com alcateia. Um quase-exército de lobos-rabiscadores, com seus olhares sedentos/atentos mais grafites de diferentes calibres. Um “perigo”, uma “ameaça” iminente. Algo que se apresenta como um imenso centro de alvo para tiro, de onde — ainda mais num dia assim — não se pode fugir.

Dia que ninguém merece. Ou dia DE ninguém merece? Dia de cansaços que retornam, de dores de cabeça que transbordam. Dias de males-me-querem. De tambores frouxos, com os quais nenhum maestro pode conduzir uma marcha. Dia de marcha à ré. Um desenho sendo feito ao contrário: sendo desfeito, portanto. Um risco que apaga, em vez de registrar. Que dia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.