Categorias
Arte Comportamento Crônica Desenho Freudcast Literatice Paulo-Coelhismo Umbigada

A gente que desenha

Há diferentes maneiras de “encarar” o desenho. Desde “uma possibilidade de profunda elaboração” até “um simples hobby”, passando por “terapia ocupacional” e “exercício libertador”. Um sujeito ali da outra rua dizia que não apanhava dos playboys da Barra, nos anos 80, conhecidos de escola, porque sabia desenhar. Quer dizer, estamos falando de uma prática capaz ainda de pesar nas questões de segurança e integridade física. Que coisa, né?

Quando se insere a figura de um(a) modelo, um ser humano que fará pose para ser observado e transportado para uma folha de papel, a coisa é capaz de avançar um degrau na escala da complexidade. No mínimo, porque envolve uma pessoa a mais, além daquele(a) que segura o lápis.

Nos mergulhos que os detentores dos lápis (ou bastões de carvão, gizes etc) damos, nunca sabemos o que vamos encontrar. Um esboço vai nascendo, mas terminará como? É parte da “graça” do desenho. Claro que se pode apostar num resultado fotográfico, fruto de uma técnica que exigiu anos de prática e — como negar? — ao menos algum talento. Mas a imagem que surgirá numa folha, após a observação de alguém que está ali para ganhar um “retrato”, pode oferecer detalhes que nascem de grandes, digamos, subjetividades.

O desenhista algo atento pode ser capaz de ver “além”. Pode? Deve? E se pá de “sentir além”. Ah, e ainda isso? Há mestres desta arte/prática que defendem, como parte fundamental do exercício, o investimento de “bastante tempo” na “observação” — antes de serem dados os primeiros riscos.

Num encontro entre pessoas que seguram o lápis e uma outra que tira a roupa para ser observada, todos experimentamos uma certa tensão. Tensão mesmo, mas que dá pra chamar às vezes de “tesão” (sem conotação sexual). X modelx reclamou sutilmente do pé que estava doendo e, a partir daquilo, houve quem enxergasse dor nas poses que vieram. Comentou sobre o cansaço e pode contar que os observadores ali enxergaram/experimentaram “uma verdadeira exaustão”. A gente que desenha observa não apenas com os olhos. A gente que desenha faz mais do que rabiscos. A gente que desenha às vezes sofre para desenhar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.