Categorias
Comportamento Crônica Freudcast Literatice Sem categoria Umbigada

O sonho do canal próprio

Unboxing? Desencaixotar, desembalar? Até a psicanalista pop-da-moda falou disso. Quer dizer, ela fez isso, comemorando a placa youtúbica que havia recebido pela marca de cem mil seguidores clicantes. O seguidor clicante é melhor do que o seguidor comum. Número não é mais apenas número. Número tem que clicar. Número bom é número que clica — depois claro de uns bons 30 segundos hipnotizado por um anúncio. Décadas atrás, quando se falava em desencaixotar alguma coisa, a gente que curtia um pouco de cinema lembrava de Helena. Era uma época em que você se escondia “tranquilamente” dentro de uma sala de projeção, sem ficar pensando se estavam todos vacinados, de máscara, livres de tosse, com o frasquinho de álcool cheio etc. Helena era a personagem de “Encaixotando Helena” (“Boxing Helena”, de 1993).

Tem sido um pouco mais possível sair de nossas caixas, ultimamente. Dos armários e das caixas, vale dizer, porque parece haver alguma diferença. Vamos considerar como “caixas” as nossas casas, nós que temos casas e reclamamos do frio com a sensação de que estamos prestes a viver um sonho comum na infância de muita gente: morar num país em que há neve. Morar num país em que não haja picaretagem política deve ter sido um sonho de bem menos gente porque parece ainda muito longe de se tornar realidade.

De volta às caixas, quer dizer, ao exterior das caixas: ainda é um pouco preocupante. Passou a época em que você precisava ir a uma sala de cinema com o intuito de sentir medo. Basta ficar na rua. A máscara própria parece um sonho tão distante quanto o da casa própria. Ou o do amor próprio (*). Ponderações classe-medianas, é disso que estamos falando; tá bom, tá bom. Pode atirar a primeira máscara. “O sonho da máscara própria”: está aí uma boa frase, hein!? Veja onde um desencaixotamento pode levar o sujeito. Se já frequentamos shows em que calcinhas eram jogadas no palco, quem sabe chegará o dia em que máscaras terão o mesmo destino…

Por falar em sujeito, além da psicanalista pop-da-moda, outros psis saíram de suas salas confortáveis para ocupar nossas telas. Não se satisfazem/realizam mais com a transferência à moda antiga. Agora, tem que ser no esquema transferência de dados mesmo, porque é outra maneira de fazer um dinheirinho. Claro que não é exclusividade deles. E daqui a pouco pode ser que a gente, mais escabreado ou pouco disposto a encarar um sábado infeliz, evite certas vizinhanças virtuais. Vizinhanças virtuais, sim: onde há calçadas virtuais… Lugares escolhidos por classe-medianos que já não conseguem promover churrascos e feijoadas de aniversário. Pontos em que se derramam em seus discursos sobre originalidade para pedirem aos conhecidos que ajudem a realizar o sonho do canal monetizado próprio. * — Valeu pela inspiração-referência, Agrade Camiz.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.