Categorias
Comportamento Crônica Literatice Música Paulo-Coelhismo

Cabe a você, playboy

Agora, foi o Noam Chomsky, do alto dos seus mais de 90 anos, ali numa daquelas redes sociais falando das transformações, pequenas que sejam, que a gente pode fazer no cotidiano. Será que é aquela história de cotidianizar a revolução? Se o Chomsky está falando, é o caso de parar e ouvir pelo menos um pouco. É engraçado ver propostas/sugestões, digamos, mais radicalmente transformadoras, partindo de uma galera mais cascuda, quer dizer, experiente. A juventude parece que só pensa mesmo no oba-oba. “Pensa” é ótimo, né? Não que os mais cascudos de um modo geral tenham muita moral para dizer que são pensadores mais ativos e preparados.

Mas, sim, aqui nesta bolha há a impressão de que atualmente podemos esbarrar com mais gente “madura” defendendo essa história de que geral no fim das contas vai dar uma “boa repensada”. Quando será que chega o “fim das contas”? Repensada, para os mais pessimistas, pode não passar de uma nova fórmula para anúncios de margarina. No fim das contas, seja em que bolha for e seja quando for, é garantia de veia entupida, qualidade de vida piorando mas… com aquele sorriso maneiro de quem consegue consumir o que DEVE ser consumido. É a pandemia das dívidas, esta.

A margarina é uma das coisas que estão custando mais caro, né? Para resolver isso, tem o homem que ensina no YouTube como fazer para ficar rico. Ele esses dias deu uma esculachada nos bancos, no esquema de juros, e seguindo sua doutrina de “como conquistar a liberdade”, bateu nas mesmas teclas de sempre. Não falou da margarina, mas isso deve ser com o pessoal que fala de saúde. Espirrou? Tava com a máscara, vacilão? Isso, a crônica hoje é quase um rap.

Ainda não dá para dizer que se trata de um momento de revisão dos padrões, mas, estes dias, num grupo de WApp, um sujeito beirando meio século de vida consultou seus “amigos” sobre um “empreendimento”. Está querendo abrir uma banca de jornal, no Rio. O silêncio imperou. Houve quem sugerisse um tiro na cabeça. Isso, sim, vai ser mais fácil, agora, com o fim das taxas para quem quer importar revólveres e pistolas. Quem quer ser rico precisa mesmo de muitas e boas informações. E talvez precise saber a diferença entre um e outro tipo de arma, nem que seja para fazer a coisa “certa” depois de um empreendimento errado.

Basta um parágrafo falando em armas para que a coisa toda pareça contaminada por um cheiro ruim. Como nessa história tem margarina, que também não é a parada mais legal do mundo, tá difícil encontrar uma boa saída para terminar a falação. Como o rap sugere muitos lances sem explicar, cabe a você, playboy, decidir o que fazer com a margarina e o trabuco. Lembrando que no dos outros é refresco e aí não vale.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *