Categorias
Comportamento Crônica Literatice XXX

Senhor Perigo, Dona Paranoia e companhia

Esta onda de reabertura oficial-e-escandalosa dos botecos, como se durante as últimas semanas muitos não tivessem desrespeitado completamente o “isolamento”, serviu para matarmos saudades que sentimos de certos personagens. O primeiro deles, antes que você reclame da irresponsabilidade desta crônica, é o Perigo. Vamos chamá-lo de Senhor Perigo, em sinal de respeito. Ele sempre esteve aí, ainda mais nestes últimos meses, mas quando de repente disseram “Pode abrir o bagulho todo, mas fechem o bagulho todo às 23h que tá tudo mais ou menos bem”, foi como se o Senhor Perigo estivesse distante e só esperando… E assim ele recebeu um convite para que voltasse a conviver oficialmente conosco. E fazer das suas. Deu um sorrisinho e aceitou, claro. Como se não tivesse sido recentemente uma das companhias mais constantes, ao lado de Dona Paranoia, Seu Vá Pro Inferno e Prima Angústia.

Claro, gente menos famosa apareceu para a festa. Era festa, afinal. Gente sem nome. Bêbado, não precisa de nome. De sobrenome, talvez. O Bêbado Sensível, por exemplo, que fica magoado quando tem que engolir junto com o 12-anos-cowboy uma amiga ladrando, a uma certa distância, talvez, que ele não passa de um “cachorro velho”. Isso provoca um estrago no coração de qualquer bicho que tenha o corpo de fato coberto por pelos brancos. A reabertura trouxe volta tristezinhas particulares assim nestes moldes. Mas aí são fatos isolados. Só mesmo para temperar a crônica. O que nos interessa são personagens famosos. É disso que vivem escriba e leitor. O Poder Público, nem se fala…

A reabertura dos bares trouxe de volta também Uma Certa Verdade. Ela estava solta, soltinha por aí. Houve quem tentasse apropriar-se dela para esfregá-la na cara de outrem. Mas Uma Certa Verdade manteve(-se) (n)a linha, arrumou a máscara e continuou desfilando sem dar bola para manipuladores de plantão. Ainda não houve quem conseguisse alcançá-la.

E, claro… Em nome da civilidade (solte agora aquela gargalhada debochada), ainda não é hora de esfregar nada na cara de ninguém. Isso seria um atentado contra as Regras de Ouro. Regras do Outro, não; Regras de Ouro mesmo, que foi como a Prefeitura da Cidade Pentecostosa do Ria Aí de Janeiro a Janeiro (pra não chorar) chamou o conjunto de normas a serem seguidas pelos estabelecimentos para que pudessem reabrir sem colocar em risco a população. Se Uma Certa Verdade estivesse em dias mais gloriosos, se pudesse atuar com cem por cento de sua capacidade de esfregação, faria o Poder Público entender que o grande risco na verdade é ele.

Quem também resolveu dar as caras foi o Beijo Na Boca. Afinal, do que adianta ir para o Lebronx, encher os cornos e voltar para casa no zero-a-zero? Vomitar, apenas, não tem graça. Antes disso, é preciso ensaiar ao menos uma bitoquinha naquela mina, naquele mano que acredita na liberdade. Por mais que, para alegrar a noite da tradicional família cariokkk, as manchetes televisivas tenham se concentrado no distanciamento responsável que não existiu… o Beijo Na Boca merecia destaque porque foi outro personagem muito visto por aí. Sem máscara, claro, porque nesse caso não tem como ser de outro jeito. Beijo e proteção, assim como chupão e comedimento, nunca foram duplas vistas de mãos dadas por aí. Imagine agora.

No bafafá, apontaram os holofotes para aquele caso do cliente que entrou sem máscara no restaurante e, abordado pelo gerente, disparou (palavra mais adequada, impossível): “Meu presidente liberou…” Houve bate-boca, entre as partes. No caso do Beijo Na Boca, não precisava discussão política alguma, porque ambos os lábios quando partem para a ação já estão de acordo em tudo. Nestes dias de Novo Normal, havia no ar um cheirinho de Velho Normal, como era de se esperar, mas aí é outro papo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *