Categorias
Crônica Literatice Umbigada

Quase madrugada de carnaval

Mal passou uma semana e já começaram a falar em produtividade. Em desengavetar “projetos fantásticos”. Mas, gente, a “mensagem” do Universo não era justamente um “convite” para repensarmos todos essa história de produzir-vender-comprar-produzir-vender-comprar? Ah, sim, depende sempre do tradutor usado para entender as palavras que vêm do Além. O pessoal que trabalha ali no mercado da São Salvador, por exemplo, deve estar ligado na versão festiva, oferecida gratuitamente pela direção da empresa. Teríamos assim uma explicação para o clima carnavalesco que tomava conta da filial, por volta das 13h desta terça-feira-chove-não-chove.

Compras feitas, incluindo uma caixinha de Bis Black, qualquer um pode dar o expediente como já encerrado. E partir para o Whats App, o grande território das verdades que duram cinco minutos. Há coisas fofas acontecendo lá. O amigo de um amigo diz que testemunhou o momento em que quatro intelectuais pré-deprimidos combinavam fazer um fanzine. Segundo relatos, um deles declarou que “ainda é terça-feira,  mas já deu pra bater a meta da semana”. Quer dizer, é mesmo hora de você rever seus conceitos sobre produtividade e meta ou procurar novos amigos porque, assim, o vírus que vai ficar no organismo depois disso tudo será só o da vagabundagem. E vagabundos deprimidos não dão certo.

Ainda no mundo virtual, percebe-se uma redução drástica na quantidade de fotos e vídeos de mulher pelada. O pessoal que produzia isso, semanas atrás, ou está todo no hospital ou embarcou no trem da revisão dos conceitos.

Pode ser uma época boa para se apaixonar. Virtualmente. Porque na rua — tirando os sem-teto-e-sem-álcool-gel — só tem mesmo o pessoal do Zona Sul. Animadíssimos, eles. Devem saber de alguma coisa que o restante da população ignora. Quando vai chegar o arroz, por exemplo. Os amores, ao que tudo indica, serão mais prováveis e possíveis com um bom plano de dados da sua operadora favorita porque, claro (ou vivo, ou tim), está difícil marcar alguma coisa na rua ou em algum boteco. Até dona Marlene deu um tempo no trabalho, pra comer a farofinha de linguiça com que sonhava há meses.

Ainda falando de relações: são dias para japonês nenhum botar defeito. Japonês: aquele povo que cria bonecas infláveis de dar inveja em qualquer Ridley Scott ou candidato a replicante. O purista que se horrorizada com aparelhinhos/interfaces ligados ao computador, para obter sensações diversas no corpo… Bom, é hora de tudo mundo ir se acostumando com a ideia. Agora, parece ser a grande chance da humanidade para se lambuzar num gel que não seja com álcool…

O bloco do pessoal do supermercado e as referências cinematográficas não param por aí. Quer experimentar hoje mesmo um momento Mad Max? Fácil, fácil: pegue aquela lata de atum que comprou semana passada, esquente o arroz de anteontem e pronto. Vai se sentir bem o Mel Gibson na hora em que ele pega comida de cachorro e, em vez de dar ali pro seu melhor amigo, faz daquilo a própria refeição. Talvez o grande inimigo das paixões e da produtividade seja a dilatação dos prazos. Hoje, já se fala em colégios fechados por 90 dias. Como será possível sobreviver ou comer alguém cuidando durante tanto tempo de crianças? “Ah, esta é uma outra mensagem do universo: reformular os relacionamentos, rever o mapa dos afetos…”, dirão os, vá lá, mais místico-otimistas. Tudo é especulação. Ou motivo pra zoar, como parecem acreditar os caras do Zona Sul.

(Esta é do início da pandemia, ficou aqui guardada em algum lugar e agora… Bom, agora que a gente continua sem saber o que vai acontecer, é o caso de publicar em algum lugar…)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *