Categorias
Comportamento Crônica Literatice

Jantar mais cedo

Via-se circular hoje na rede mundial de computadores uma informação, que, parece, era fruto de uma pesquisa: nos States durante a pandemia mais de 75% dos consumidores mudaram hábitos de compra. O ianque médio abandonou marcas com as quais estava acostumado e passou a escolher outras, novas. É o Covid-19 regando o sonho americano, alimentando velhas fortunas e sinalizando com a aparição de outras novas. Por aqui, sem que se tenha feito qualquer estudo, pode-se dizer que os hábitos de consumo/sobrevivência também estão passando por alterações. Agora, ver dinheiro entrando faz o cara pular de alegria. É o que se pode concluir a partir do comportamento do jovem Vinícius, cidadão em situação de rua, conhecido ali no Largo do Machado. No início da noite de ontem, depois de receber de um “tiozinho” uma nota de 20, ele comemorou jogando repetidas vezes o dinheiro para o alto. Foi a primeira vez que ele foi visto fazendo isso. Ia jantar antes das 23h; diferentemente do que vinha acontecendo, nas últimas semanas.

Quase chegou a juntar gente para ver a comemoração, pois parecia uma apresentação. A primeira vez que soltou no ar a nota, não se ouviu nenhuma gargalhada mas depois sim. Os olhos arregalados acompanhavam o papel descendo em direção a um canteiro de plantas. Era como se ele quisesse ter certeza de que aquele troço era mesmo uma nota de 20. Não que desconfiasse do “tiozinho”. Botava muita fé naquele colaborador. Tinha até se acostumado a chamá-lo de “General” e não de “tio” ou de “paizão”, como era mais comum fazer. Não era a primeira vez que o General dava uma moral para o Vinicius. Mas fazia algum tempo que isso não acontecia. A julgar pela comemoração do rapaz, não devem ser muitos ali na região os doadores com esta “patente”. Vinicius deve estar mais acostumado com as quantias praticadas por soldados, cabos. No máximo, sargentos. É mesmo “normal” que haja mais soldados do que generais, né?

O General chegou a se incomodar com este apelido. Porque não é muito chegado nessa coisa de militar. Pensou um pouco, e rapidamente, para logo concluir que aquela palavra nascia como um elogio e estabelecia uma relação entre ele e o jovem que não se acostumou a ver largado pelas calçadas. Havia uma sisudez no olhar daquele homem e era quase como se fosse natural que ele ganhasse como apelido “General” em vez de — quem sabe… — simplesmente “G”.

A segunda vez que Vinicius jogou para cima a nota, depois de resgatá-la no meio das plantas ressecadas, tratou de amassá-la um pouco mais. Sem chegar a fazer uma bola, mas garantindo que a queda seria mais rápida e menos influenciada pelo vento. Enquanto observava, já um pouco de longe, a festa do soldado, General prestou atenção a este detalhe e pensou: “O moleque não tá de bobeira…” Quando a nota foi arremessada uma terceira vez, os que ensaiaram uma parada para assistir à apresentação perceberam que não era um espetáculo, aquilo, e que deveriam deixar a passagem livre. Da lanchonete em frente, o gerente percebeu que Vinicius tinha dado mole, perdendo a chance de multiplicar aquele cascalho. “Se tivesse jogado a nota mais vezes, os malucos iam achar que era um show… Aí, era só colocar um chapeuzinho e esperar pingar uma moeda…”

O General ouviu o comentário do sujeito da lanchonete e ficou se perguntando se as pessoas tinham conseguido sacar que aquilo era uma nota de 20. Depois, avançou e tentou prever se, no caso de o Vinicius transformar a brincadeira em espetáculo, se as pessoas reagiriam mais entusiasmadamente a uma nota de 50 ou 100. Não cogitou a de 200. Pensou em investir neste “projeto”. Mas logo desistiu. Também queria jantar mais cedo, naquela noite.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *