Categorias
Conto Desenho Literatice Parece Poesia Umbigada XXX

Sinais

Cor-de-rosa, branco, verde, bege e azul. Uma mistura improvável que dá certo. Cabelos soltos, mostrando que estão maiores. Isso também dá certo. Um daqueles brincos de mandala, com arco, penas roxas, que chegam até o ombro e ficam batendo, ali, meio como uma maré. Um brinco-maré, taí. Maquiagem, de leve; como se precisasse daquilo para mostrar as maçãs do rosto, mas sem carregar demais, sem exagerar, delicadamente, pedindo licença. Parecendo mais magra do que estava, meses antes. Flores amarelas. Porta branca. Paredes meio cinzentas. Estante despretensiosa, sem aquele monte de livros que acabamos nos acostumamos a ver em vídeos. Um objeto que parecia uma luminária, lá atrás, tem um tom metálico, prateado mas fosco, sem chamar muito a atenção. O que será que tem dentro daquelas caixinhas de madeira, na mesinha?

Os movimentos com os braços, longe da helicopterização feroz dos candidatos a VJ de antigamente, sugerem algum ensaio anterior. Sabe bem o que faz com as mãos. Talvez tenham rolando uns 30 minutos de meditação. O jeito como olha para uma determinada direção… sei lá, pode ter alguma coisa escrita ali, na frente dela, mas isso não é nada. Quer dizer, de maneira nenhuma compromete a apresentação. O jeito como saem as palavras nos passa tanta, mas tanta segurança, que mesmo se você não está muito interessado no assunto é capaz de ficar ali, por horas. Horas mesmo. Se assistir ao programinha por quatro vezes, já passa de uma hora no total. São, sei lá, três histórias, em 15 minutos? Melhor ver mais uma vez. E as três, ou sei lá quantas histórias são, constroem um lance maior, que é a grande mensagem sendo compartilhada ali. Os detalhes são muitos, as histórias se misturam. Talvez nem dê pra dizer que são em tal número, talvez seja mais seguro informar que se trata de uma grande história e pronto.

Toda aquela preparação, o ambiente, o cabelo, a blusa, o roteiro escrito que a gente nunca vai ter certeza se rolou ou não mas podemos apostar que sim existiu, tudo isso, enfim, garante um espetáculo pelo qual mesmo o mais sovina dos rocha-mirandenses pagaria bons trocados para testemunhar. Mas um dos melhores detalhes de tudo é que a lição está ali para ser vista por geral, todo candidato a discípulo que tiver um computador ou telefone-esperto de hoje em dia, com um daqueles planos para acessar rede social, enfim, todo mundo pode ver a mestra em ação. Todo mundo tem a chance de fazer parte do grupo que vai dormir em dúvida sobre o que ela quis realmente dizer aos 4m37s quando citou o exemplo das velas que se apagam. Ou, o que é melhor, com a certeza de que ela estava falando sobre si mesma quando garantiu que basta uma mulher um pouco mais atenta para que as coisas não desandem numa negociação para o estabelecimento de responsabilidades numa parceria romântica. Isso foi ao 7m43s e é um dos melhores momentos da fala.

E quando ela solta um “Perdoem o meu francês mas… foda-se”!? Que firmeza. Que desprendimento. Foi como uma gingada, um movimento de Capoeira, com graça e muito certeiro, dado para derrubar quem estivesse na frente. Uma dose de raiva. Uma pitada de força. O cara já cai só de perceber o que vai ser atingido. Se ela segurasse o golpe, mesmo assim ele seria eficiente. “Peraí, esta frase é de uma outra aula, a de terça-feira, é tanta informação que qualquer um pode confundir tudo. Vamos ver de novo para não misturar as coisas.” Acaba sendo uma boa oportunidade para conferir se aparecem mesmo umas borboletas por volta dos 10m. Borboletas amarelas, é esta a impressão que dá. Passam bem rapidinho, pelo canto superior esquerdo da tela. E o mais legal é que são duas. Duas borboletas, gente. Quando é que você viu isso num vídeo? Não dá para ensaiar com borboletas. Aquilo foi um sinal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *