Categorias
Conto Literatice

Nina

Continuava lá. Na janela. Já não precisava dizer que estava esperando. Geral sabia. A gente só não entendia ainda bem o quê. Ela nunca disse, na verdade, nunca houve uma explicação, um “peraí que eu já volto”. E já não dava tempo de perguntar se por acaso era na verdade um “quem”. E não dava tempo porque ela não recebia mais ninguém. Havia uma aposentadoria e uma internet que lhe garantiam a possibilidade de pedir tudo em casa. Talvez estivesse investindo numa história, construindo uma personagem. Fosse ou não esta a opção de Nina, era muito incômodo chegar ali, na esquina, olhar pro terceiro andar do prédio amarelo, perceber a janelinha aberta e a tiazinha, lá, com uma cara que nem era exatamente de triste mas… Talvez fosse de amargurada, sim, mas as pessoas tinham se acostumado a ver aquela mulher na praça sempre sorrindo e não se rendiam, insistiam que não era dor aquilo que contornava o rosto já um pouco enrugado. Parecia que todas as rugas tinham surgido nos últimos três meses. Ou quatro. Ou cinco. Ninguém sabia ao certo.

Uma mulher que já tinha sido apontada como esperta. Pois é. Tinha decidido não fazer outra coisa que não fosse esperar. Havia quem se perguntasse se aquela na verdade não era a grande esperteza dela, a grande tacada, e quando temperavam este questionamento chegavam a falar até em aumento da pensão, em uma espécie de fiscal que chegaria para conferir as coisas e veria que se tratava de uma pessoa mentalmente debilitada e por isso haveria um cascalho adicional no benefício mensal. Talvez ela já estivesse ganhando mais e por isso podia se dar ao luxo de pedir tudo em casa. Comida, produtos de limpeza. “Será que chega roupa também?” Esta teoria era da Ana Maria, que era assim, ó, com Nina antes do início daquela novela toda na janela do terceiro andar. Ana Maria desconfiava que havia algum planejamento naquilo porque Nina havia se mudado de um apartamento de fundos para aquele ali, de frente, e isso, segundo a ex-amiga, era uma garantia de ser vista, coisa que seria impossível no imóvel que dava para os fundos. E a gente diz “ex-amiga” porque é assim que Ana Maria se sente. E ela sente mesmo porque já fez cara de choro na praça pra falar da ex-amiga.

Tinha começado, aquilo, sei lá, havia já meses. “Meses?” “Quantos meses?” Ninguém sabia ao certo. Nem dava pra apostar porque não existia resposta precisa e confiável.”Quem vai controlar as apostas? E o prêmio? Vai dar confusão.”  Havia quem desconfiasse da existência de um acerto entre ela e o Zinho. O Zinho lá da praia, que o Tuca, o Tuca ali da Paralela… Então, o Tuca lembrava muito bem que o Zinho tinha começado a falar com o pessoal do bar da esquina, o do Leco, que a Nina estava estranha, ali na janela, meio que não se mexia, parecia uma estátua, e não dava mais as caras na praça, fazia pose de que estava aguardando alguma coisa. Tuca sacaneava dizendo que o Zinho passava quatro cevejas afirmando que a dona Nina não perderia tempo tomando conta da vida dos outros. Não falava de outra história, no bar, o Zinho; insistia que ela estava esperando alguma coisa. Era zoado pelos outros caras da turma da praia, como se estivesse ele de olho na mulher. E ficava lá, imóvel, também, no balcão, olhando para o nada, em muitas ocasiões, tentando encontrar uma explicação. Olhando para o nada, na esperança de pescar alguma coisa.

Zinho ficou parado algumas vezes, em frente ao prédio, mirando a janela do terceiro andar, e fez isso como se fosse também ele um personagem, um personagem de vídeo, um vídeo desses nada nobres de YouTube em que alguma palhaçada acontece, em que um mané é capaz de mobilizar uma multidão, com um gesto simples como o de olhar para cima, numa esquina de uma grande cidade, mas ninguém chegou a filmar, não, chegaram só a se aglomerar um pouco porque era ainda uma época em que a aglomeração era permitida e ficaram lá, umas tantas cabeças, olhando para a dona Nina. Zinho teve vontade de gritar “Ô, Ni-na! Dona Ni-na!” Mas não gritou. Ela parecia alheia a todos. Com certeza não estava ali a pessoa tão aguardada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *